Resenha #12 - O Guia do Mochileiro das Galáxias!



O "Guia do Mochileiro das Galáxias" começou sua história como uma série de rádio no fim dos anos 1970, e o sucesso foi tanto que surgiram cinco livros, uma série de TV, um filme, vídeo games, quadrinhos e peças de teatro. Desde que foi lançada pela Sextante, a série já vendeu 60 mil exemplares. Em comemoração aos 30 anos de sua primeira edição, estamos relançando esta cultuada série com novas capas. Considerado um dos maiores clássicos da literatura de ficção científica, este livro vem encantando gerações de leitores ao redor do mundo com seu humor afiado. 
Este é o primeiro título da famosa série escrita por Douglas Adams, que conta as aventuras espaciais do inglês Arthur Dent e de seu amigo Ford Prefect. A dupla escapa da destruição da Terra pegando carona numa nave alienígena, graças aos conhecimentos de Prefect, um E.T. que vivia disfarçado de ator desempregado enquanto fazia pesquisa de campo para a nova edição do "Guia do Mochileiro das Galáxias", o melhor guia de viagens interplanetário. 
Mestre da sátira, Douglas Adams cria personagens inesquecíveis e situações mirabolantes para debochar da burocracia, dos políticos, da "alta cultura" e de diversas instituições atuais.
Seu livro, que trata em última instância da busca do sentido da vida, não só diverte como também faz pensar.


**********************************************************************
AVALIAÇÃO PESSOAL
**********************************************************************
★★★☆☆

O Guia do Mochileiro da Galaxia, é aquele típico livro que você conhece, se apaixona e simplesmente da altas risadas do início ao fim. Pelo menos comigo foi assim. Douglas Adam possui um senso hilário muito sarcástico Seu livro infantil está turbinado de críticas a sociedade, referencias que são feitas com tanta perfeição que você simplesmente não percebe até sacar o que aquele trocadilho realmente significou. Seu humor crítico faz comparação com as mais inusitadas situações e momentos, e isto que torna a história tão gostosa de se ler. Pra que tristeza mesmo que seu planeta tenha sido destruído. O melhor é viajar pela galaxia com seu amigo alienígena, não é mesmo Arthur Dent?

Dotados de capítulos curtos e estonteantes, eu pude dividir o livro da seguinte maneira. Do primeiro ao quinto capítulo a história é um pouco cansativa. Sabe, muito detalhe sobre personagem, como por exemplo: "como foi sua infância ", "que roupa usou ontem", "que planeta já visitou", "qual seu tipo sanguíneo". São alguns detalhes que você realmente não vê utilidade. Do sexto capítulo até o vigésimo quinto a coisa foi muito melhor, porque vai conhecendo os personagens com mais naturalidade, de forma que suas personalidades vão se formando no decorrer da história. Do vigésimo sexto ao trigésimo terceiro, retornamos a monotonia Douglas deve ser famoso pelo excesso de informações que ele passa para o leitor. Cara! É muita coisa, teve hora que se eu não lesse com cuidado, acharia que estava lendo outra história.

Do trigésimo quarto em diante, ou seja, os dois capítulos finais, são os mais dotados de ação; teve até mais ação do que no filme, a acreditem, o filme é totalmente diferente do livro. Quando comecei a ler, tipo, o início ficou idêntico mas depois da destruição da Terra, a história toma outros rumo. Acredito que o filme tenha feito uma misturada de todos os volumes, o que sinceramente não ficou bom. Já o livro, separadamente, da mais explicação sobre como as coisas se procedem no enredo, apesar de em certos momentos extrapolar no número de informações para o leitor. Diria que as grandes descrição em certos momentos da história são o que menos gostei. As vezes, estava fixou na leitura e quando achava que a coisa ia ficar bom, o roteiro tomava outro rumo e eu ficava meio perdido para entender. Tirando este detalhe o livro realmente é promissor, apesar de não fazer muito o meu gosto, mas a leitura engraçada, sempre prestando atenção nos trocadilhos de Adam, me motivaram sim a continuar. A história de Arthur Dent, Ford, e seus companheiros da nave Coração de Ouro me parece bem atraente. E claro, não vamos esquecer do Marvim, nosso robô com PHG (Personalidade Humana Genuina). ~risos~ Você vai rir com ele.


Nenhum comentário

Postar um comentário

Expresse-se