Resenha #28 - Extraordinário!



August Pullman, o Auggie, nasceu com uma síndrome genética cuja sequela é uma severa deformidade facial, que lhe impôs diversas cirurgias e complicações médicas. Por isso, ele nunca havia frequentado uma escola de verdade... até agora. Todo mundo sabe que é difícil ser um aluno novo, mais ainda quando se tem um rosto tão diferente. Prestes a começar o quinto ano em um colégio particular de Nova York, Auggie tem uma missão nada fácil pela frente: convencer os colegas de que, apesar da aparência incomum, ele é um menino igual a todos os outros.
R. J. Palacio criou uma história edificante, repleta de amor e esperança, em que um grupo de pessoas luta para espalhar compaixão, aceitação e gentileza. Narrado da perspectiva de Auggie e também de seus familiares e amigos, com momentos comoventes e outros descontraídos, Extraordinário consegue captar o impacto que um menino pode causar na vida e no comportamento de todos, família, amigos e comunidade - um impacto forte, comovente e, sem dúvida nenhuma, extraordinariamente positivo, que vai tocar todo o tipo de leitor.


*********************************************************************
AVALIAÇÃO PESSOAL
*********************************************************************
★★★★★


Extraordinário! Sim, esse livro vai jus ao seu nome!

August Pullman é um garoto que nasceu com uma séria deformidade na face, e esta prestes a enfrentar seu primeiro ano na escola. Mas não será nada fácil. Desde muito pequeno está acostumado a enfrentar os olhares tortos, ou aquela expressão de medo que as pessoas costumam utilizar quando o vêem. Claro que encarar um colégio inteiro não será nada comparado com algumas pessoas no parque, ou uma ida qualquer a escola de sua irmã. E em meio a pessoas maldosas e bondosas, o mundo pode ser algo muito confuso. Em uma história que mistura assuntos problemáticos como o bullying e o amor familiar, Extraordinário vai te levar a uma nova experiência, provando na pele o quanto o preconceito pode ser assustador e o quanto as pessoas podem ser maldosas.

R.J Palacio é uma escritora magnífica. Ela retratou uma história que fará você se desmanchar em lágrimas logo nos primeiros instantes em que colocar seus olhos nela. Pensei que não experimentaria essa experiência com mais nenhum livro depois de A Culpa é das Estrelas, do John Green (que não tem nada de igualdade com esta obra), mas estava inteiramente enganado. Extraordinário me fez reviver a mesma sensação que senti antes, fazendo a leitura fluir tão naturalmente que quando dei por mim, já estava na metade do livro.

August é o típico personagem que você se apaixona e nunca mais esquece, e não pela doença dele, mas por ser carismático. A narrativa é tão verdadeira que muitas vezes achei que o próprio August estava aqui em casa, contando sua história para mim. Apesar da escrita não ser uma das mais avançadas, você acaba ignorando esse fato, quando se afeiçoa pelo enredo central. E pelos personagens.

O livro vem dividido em oito partes, sendo três delas do ponto de vista de August, três dos amigos dele (Summer, Miranda e Jack), um da Via (Irmã) e um do Justin (Namorado da Via). O capítulo narrador por Justin é altamente confuso. A autora deixou o texto todo errado, pelo menos, na organização. O texto não tem parágrafos, nem travessões, nem letras maiúsculas, mesmo quando está se referindo a nomes próprios, e isto me deixou meio preocupado. Não consegui encontrar um porque dela ter feito essa parte desta forma. Talvez ela tenha deixado desta maneira para mostrar uma diferença dos traços de Justin para os demais narradores, mesmo assim ficou bem complicado de acompanhar. Foi à única parte do livro que tive trabalho para terminar, porque tudo parecia uma frase interminável.


A história é vista de diversos pontos de vista, e a autora, numa tacada bem elaborada, mostrou a forma como August afeta a vida das pessoas que estão a sua volta. Ficou muito mais fácil compreender a situação de todos frente a doença do garoto. Admito que meus capítulos favoritos foram os do August e o da Summer. Na verdade, o da Via e do Justin foram os que menos gostei. Achei as justificativas da irmã (Via) um tanto egoísta. Talvez você concorde comigo quando ler, ou se já tiver lido.

Quando tiver que escolher entre estar certo e ser gentil, escolha ser gentil” (Extraordinário, pag: 55)

Toda pessoa deveria ser aplaudida de pé pelo menos uma vez na vida, porque todos nós vencemos o mundo.” (Extraordinário, pág: 313)

Com frases marcantes, uma história inesquecível e apaixonante. Aconselho muito para que venha conhecer e provar o quanto esse livro é realmente extraordinário!



 

Nenhum comentário

Postar um comentário

Expresse-se