Cinema #38 - Os Instrumentos Mortais: Cidade dos Ossos!



Quando sua mãe Jocelyn (Lena Headey) é atacada e levada de sua casa em Nova York por um demônio, Clary Fray (Lily Collins), uma garota aparentemente normal, sai em sua busca em uma Nova York cheia de demônios, magos, fadas, lobisomens e outros seres fantásticos. Para ajudá-la, Clary conta com os amigos Simon (Robert Sheehan) e o caçador de demônios Jace Wayland (Jamie Campbell Bower), mas acaba se envolvendo também em uma complicada paixão.








************************************************************************
AVALIAÇÃO PESSOAL
************************************************************************
★★★☆☆


Se você, assim como eu, se iludiu que essa adaptação seria diferente, eu lamento dizer, mas entre Mar de Monstro e Cidade dos Ossos, não tem muito que mudar. O filme produzido em cima da obra de Cassandra Clare foi um completo fracasso, principalmente para fãs da obra (como eu) que aguardavam algo muito mais fiel ao livro.



Clary é uma garota como qualquer outra... Ou pelo menos achava isto, até o dia em que presencia um assassinato ocorrido numa boate movimentada. O problema é que Clary é a única capaz de enxergar. E isto não facilita quando ela conhece o sedutor e misterioso Jace, um dos assassinos da boate que está prestes a lhe mostrar um mundo ao qual ela jamais imaginou integrar: o universo Caçadores de Sombras, assassinos de demônio que mantém a ordem no nosso mundo, para que os mundanos vivam bem.

Por muito tempo, Jocelyn, mãe de Clary, tentou ocultar esse universo dela, mas agora, com o retorno de um antigo inimigo, Valentim, esse segredo parece impossível de se manter escondido, e agora, que a busca aos Instrumentos Mortais recomeçou, Clary e Jace precisam recuperar o Cálice Mortal e impedir que o fim do mundo comece. Contudo, uma trama muito maior a aguarda, e Clary está prestes a fazer descobertas devastadoras.

Certo, vamos fazer uma comparação. Foi mencionado em várias redes sociais que o filme era muito bom, e que estava muito fiel ao o livro. Se isto é ser fiel, eu não sei o que não é. Afinal, Mar de Monstro foi aquela “agitação” toda pela blogesfera. Mas Cidade dos Ossos foi minha esperança. Devido às cenas mostrada no trailer, imaginava uma ótima adaptação, mas ai, quando me deparo assistindo, começo a me assustar com o número de diferenças que o filme possuía com o livro. Quer dizer, o tema da obra foi totalmente modificado, para agradar ao público através de uma ação forçada, incrementando cenas que nunca existiam.


Tirando a trilha sonora (que infelizmente foi colocada em momentos do filme que não lhe cabiam) que combinou com a temática e os efeitos especiais muito bem produzidos, o filme, em termo “adaptação” foi uma negação; sinceramente, um grande erro. Não muito diferenciado dos demais, Cidade dos Ossos foi tomado de spolers dos outros livros da série. Cronologicamente o filme é totalmente diferenciado do livro. Os eventos que acontecem numa ordem na obra são postos de outro jeito na adaptação. Além disso, aja paciência pra aturar aquelas “musiquinhas” de fundo que seriam necessárias (na estupidez dos diretores) para gerar um clima. Pelo amor de Deus! A história quase inteira remete a uma cópia muito estranha e distorcida de Harry Potter. E sim, eu posso comprovar isso. Veja pela cena final, quando Clary cria um símbolo para arrumar a casa (Cena semelhante que você pode conferir em Harry Potter e o Enigma do Príncipe, filme, logo nos primeiros minutos). Perai ne! Ai já foi demais! Símbolo que arruma casa? E desde quando Clary já tem total domínio sobre os seus dons? A temática abordada no livro que mostra um lado muito mais adulto da série é totalmente descompensada no filme, quando as cenas são empurradas para um lado onde o importante é gerar ação e combate. Sejamos sinceros conosco, vocês, fãs de Cassandra Clare, acreditam que esse filme realmente foi aceitável para uma obra literária tão legal? Eu pessoalmente acredito que não. Dentre todos os atores, posso salvar o nosso Simon, nossa Isabelle, nosso Alec e nosso Magno. O restante foi uma seleção qualquer. Tenho dó e piedade quando dizem que o ator que interpreta Jace ficou fiel. Ah! Sério, peço um favor a esta pessoa: observe a capa dos livros. Só em Cidade dos Ossos você já vai notar uma diferença imensa.

Mas claro, os atores são o de menos, apesar de alguns não tem um pingo de experiência nesse tipo de interpretação. O pior foi o final, quando o sádico Valentim aparece. Daí em diante o filme perde os freios. A personalidade atribuída a Valentim (violento, raivoso) não combinam em nada com o Valentim do livro. Não existe um ponto no fim que eu venha salvar. Foi só luta e mais luta. Horrível, e para fãs como eu, um xingamento, comparar com uma obra tão boa quanto a de Clare.



Novamente volto a repetir (infelizmente), se você estiver buscando um filme com ação e um pouco de romance, então pronto, pedida certa. Mas se você é um fã de Cassandra Clare, fã mesmo, assista, para comprovar com seus próprios olhos o quanto estragaram nossa amada série literária. Sinceramente, atualmente, estou apreensivo quanto a adaptações. O lado cinematográfico para roteiros vem piorando a cada vez mais.


 

Nenhum comentário

Postar um comentário

Expresse-se