Resenha #42 - O Cavalo e Seu Menino (As Crônicas de Nárnia Vol 3)!



Coleção: As Crônicas de Nárnia
Título: O Cavalo e seu Menino
Autor: C.S. Lewis
Editora: WMF Martins Fontes
Edição: 4
Ano: 2010
Idioma: Português
Especificações: Brochura | 192 páginas
ISBN: 978-85-7827-358-3
Ao saber que não era filho de Arsheesh, o pescador, o jovem Shasta decide fugir da cruel Calormânia. Na companhia do cavalo falante Bree, ele parte em direção ao Norte rumo a Nárnia, onde o ar é fresco e reina a liberdade. Em sua jornada pelo deserto árido, Shasta tenta imaginar o que estará esperando por ele adiante. Tudo parece tão vasto, desconhecido, solitário... e livre.



*******************************************************************
AVALIAÇÃO PESSOAL
*******************************************************************
★☆☆☆☆


Modificando totalmente o estilo dos demais livros, O Cavalo e seu Menino é uma leitura altamente entediante, com uma linguagem que faria qualquer criança desistir imediatamente de continuar. Neste livro na verdade, percebe-se que C.S Lewis estava um pouco perdido, buscando o que falar, e apesar de alegar ser uma obra voltada para o publico infantil, não transmite essa qualidade para o público que quis atingir.

Neste volume, conhecemos a história de Shasta, um garoto misterioso que mora com seu suposto pai na época onde as pessoas eram subjugadas e escravizadas. É um conto paralelo aos tempos em que PedroSuzanaEdmundo e Lucia governavam Narnia, mas fixando-se no reino ao qual Shasta (nosso protagonista) acreditava pertencer. Isto até certo dia, quando se depara com um cavalo falante, que o ajuda a escapar de um homem tenebroso. Juntos, Bri Shasta vão enfrentar muitas aventuras, ansiando apenas um grande objeto: chegar a Narnia para ser livre.

O livro em si já vem com imensos diferenciais dos anteriores. No 2º volume ou no 1º, rapidamente você se depara com um teor bastante bíblico nas aventuras infantis narradas por Lewis. Neste volume não. Até o momento não consegui ligar Shasta a nenhum personagem da bíblia, assim como também não consegui encontrar uma importância especifica para este personagem. Pode ser que ela surja no decorrer que leio as seqüências. Na verdade, este livro me pareceu uma variável para falar um pouco mais da época em que os reis e rainhas de Narnia viveram por lá, já que o volume seguinte, O Príncipe Caspian já retrata o retorno deles (eu sei disso porque vi o filme).

Completamente sem frases marcantes ou momentos que instiguem leituras. A história é desprovida de qualquer ação ou grandes momentos. Os capítulos são curtos, tendo no máximo duas folhas (frente e verso), mas com uma narração tediosa, a obra acaba não inspirando que o leitor de procedimento a leitura. É complicado falar, porque eu adorei os outros dois volumes. Justamente neste, quando peguei para ler, já imaginei que fosse ser diferente. O título em si (pessoalmente achei muito tosco), já diz muita coisa sobre como o livro vai ser. Sinceramente, não vou desistir da série porque o livro seguinte, pelo menos na adaptação, foi um dos meus favoritos, mas admito que fiquei um tanto desestimulado para continuar. Fiquei boa parte da obra confuso e quando fui entender, o negocio já tinha acabado. Na realidade, foi algo cansativo e muito semelhante à experiência que tive com os últimos 3 volumes de O Guia da Mochileiro das Galáxias , do autor Douglas Adams. Então, se você for fã desse tipo de leitura, podem se arriscar. 



 

Nenhum comentário

Postar um comentário

Expresse-se