Resenha #44 - A Garota que eu Quero (Os Irmãos Wolf Vol 3)!



Cameron Wolfe é o caçula de três irmãos, e o mais quieto da família. Não é nada parecido com Steve, o irmão mais velho e astro do futebol, nem com Rube, o do meio, cheio de charme e coragem e que a cada semana está com uma garota nova. Cameron daria tudo para se aproximar de uma garota daquelas, para amá-la e tratá-la bem, e gosta especialmente da mais recente namorada de Rube, Octavia, com suas ideias brilhantes e olhos verde-mar. Cameron e Rube sempre foram leais um com o outro, mas isso é colocado à prova quando Cam se apaixona por Octavia. Mas por que alguém como ela se interessaria por um perdedor como ele?Octavia, porém, sabe que Cameron é mais interessante do que pensa. Talvez ele tenha algo a dizer, e talvez suas palavras mudem tudo: as vitórias, os amores, as derrotas, a família Wolfe e até ele mesmo.



*******************************************************************
AVALIAÇÃO PESSOAL
*******************************************************************
★★★★★

Você já ouviu um cachorro chorar? Sabe como é uivar tão alto que quase chega a ser insuportável? Acho que uivam assim porque estão com tanta fome que chega a doer, e é isso que sinto em mim, todos os dias da minha vida. Tenho uma fome enorme de ser alguma coisa, de ser alguém.” - (A Garota que Eu Quero, pag 100)

Esse livro não tem só aquele velho paradigma de que porque o autor é famoso o livro também será. Não! Esse livro vai muito além da pessoa que Markus Zusak possa ser. Ele não só marca cada página com quots ou momentos cheio de realidade e sentimento, como também descrever tão perfeitamente o coração de um garoto apaixonado que posso simplesmente descrevê-lo como obra prima, ou talvez, uma obra que não se vê todo dia!

De certo modo, espero que estas palavras escritas falem. Espero que ardam e chamem e gritem.

Espero que gritem! Para romper meu silencio.”

(A Garota que Eu Quero, pag 77)

Cameron Wolfe é o tipo de cara que nenhuma garota vai reparar. Ele não tem muitos amigos, e resume sua vida em sair com os irmãos (que também o consideram um estorvo). Mas isto está para mudar. Nada é pior do que se apaixonar pela primeira vez, principalmente quando a garota de sua escolha é a namorada de seu irmão, mais velho, Rube Wolfe. E agora? O que fará Cam? Será que esse amor é capaz de romper as barreiras da família? Em uma verdadeira explosão de sentimentos, você vai conhecer a emocionante e imensurável grandeza da história dos Wolfe, e o desfecho da trilogia magnífica de Markus Zusak.

Forte, intenso, cheio de desejo, sentimental, dramático, engraçado, são tantas qualidades para se atribuir a este livro. O que posso dizer pra fechar é que amei totalmente a narrativa. Além de toques filosóficos, o autor ainda tem uma sutil marca cômica, que deixa a leitura prazerosa e viva, como se o próprio personagem estivesse ali, narrando sua história pessoalmente a você, com todas as suas emoções a flor da pele.

Vaguei pela vida real e me escrevi pela escuridão das ruas dentro de mim. Vejo pessoas andando pela cidade e me pergunto onde estiveram, e o que os momentos de suas vidas fizeram com elas. Se são parecidas comigo, seus momentos as sustentaram e as derrubaram.
Às vezes, apenas sobrevivo
Mas, às vezes, ergo-me no telhado da minha existência, de braços abertos, pedindo mais.
É então que as histórias aparecem em mim.
Elas sempre me encontram.
São feitas de perdedores e lutadores. São feitas de fome e desejo e de tentativas de levar uma vida digna.
O único problema é que não sei qual dessas histórias vem primeiro.
Talvez todas se fundam em uma só.
Veremos, acho.
Eu aviso quando decidir.
(A Garota que Eu Quero, pag 173/174)

O livro é dá encerramento à trilogia, escrita pelo autor, mas lançada por diferentes editoras. O outros dois volumes, “O Azarão” e “Bom de Briga”, eu ainda não tive o prazer de ler, mas espero apressadamente conhecê-los o mais breve possível, porque Cam com certeza entrou na lista de MELHORES PERSONAGENS. Quero dizer, você basicamente senti a humanidade dele. Não posso me retratar a ele nos outros livros, contudo, em A Garota que Eu Quero, ele é apenas mais um perdedor, um garoto cheio de dúvidas, que senti saudade, angustia, felicidade, solidão e todos os tipos de emoções que você pode imaginar. E não julgue o livro de forma dramática. São as filosofias implícita nele que fazem desta obra algo tão raro e poderoso.
A gente senti o que senti." - (A Garota que Eu Quero, pag 14)
Acho que é isso que todos desejamos, de vez em quando. Estar bem. Estar legal." - (A Garota que Eu Quero, pag 21)

Em primeiro momento você julga que tudo não passa de um simples romance. Porém, Zusak não se fixou apenas nisto. Ainda podemos contar com o bom e marcante tema familiar, que persegue a trilogia, apesar de num segundo plano e um pouco menos comentado, mas nada disso altera a sutileza que este tem em fazer você se emocionar ou transmitir seus sentimentos. Eu vi em Cameron Wolfe minhas aflições, medos, lágrimas, saudades, esperanças e todo tipo de sentimento que você pode imaginar. A veracidade aqui é tão profunda que você praticamente mergulhar em um mundo adorável e real, com decepções e vitórias. Onde ninguém é perfeito, mas pelo contrário, todos cometem erro. O mais forte é saber que mesmo caindo, você tem que levantar, mesmo que isto pareça totalmente absurdo ou complicado. E não estamos falando de frases motivacionais como as que encontramos em livros de alto-ajuda. Pense em A Garota que Eu Quero, como em comparação A Culpa é das Estrelas (John Green). Você sai lendo e querendo marcar quase o livro todo. Existem tantos quots que eu poderia formar uma redação só com trechos desta obra. Mas eles nunca seriam suficientes para transpassar as emoções que Cam faz o leitor viver.

Por isso, se você ainda não conhece este livro, tão humano e maravilhoso, não perca mais seu tempo. Venha conhecer. Faça dessa emoção algo completo, lendo a trilogia toda, porque, eu sinceramente, lerei!



 

Nenhum comentário

Postar um comentário

Expresse-se