Cinema #45 - As Bem-Armadas!



Gênero: Comédia
Direção: Paul Feig
Roteiro: Katie Dippold
Elenco: Dan Bakkedahl, Demián Bichir, Jane Curtin, John Ross Bowie, Marlon Wayans, Melissa McCarthy, Michael McDonald, Michael Rapaport, Peter Weireter, Sandra Bullock, Spoken Reasons, Taran Killam, Thomas F. Wilson, William Xifaras 
Produção: Jenno Topping, Peter Chernin 
Fotografia: Robert D. Yeoman
A agente especial do FBI Sarah Ashburn (Sandra Bullock) e a policial Shannon Mullins (Melissa McCarthy) não podiam ser mais imcompatíveis. Quando precisam juntar forças para trazer um perigoso traficante de drogas, elas se tornarão algo que ninguém esperava: amigas.


*********************************************************************
AVALIAÇÃO PESSOAL
*********************************************************************
★★★★



Junte uma policial nada peculiar a um monte de bandidos “barra pesada” e um enredo recheado de comédia. Com certeza você terá algo semelhante a este filme.

Sarah Ashburn é uma policial exemplar, ou pelo menos seria, se não fosse toda sua arrogância para com seus companheiros. Por isto, seu chefe a escolheu para resolver uma perigosa armação feita pelos contrabandistas de armas em Boston. Mas ela está prestes a ganhar muito mais que uma promoção. Depois de uma longa vida de solidão, Sarah vai se deparar com a policial Mullins, uma agente nada peculiar. E juntas, enfrentando altos e baixos, ambas vão crescer e aprender o valor de uma verdadeira amizade.




Esse filme possui mais que uma dose cavalar de comédia. Se você não assistiu com medo de futuros dramas, largue-se desta opinião. As Bem Armadas não só apresenta duas grandes atrizes fazendo uma ótima interpretação, como também demonstra um enredo que invade você, seja pelo palavreado vulgar ou pelas cenas irônicas e engraçadas. Pessoalmente não notei nenhuma filosofia figurativa ou até mesmo alguma lição importante, coisa que também não esperava encontrar.

 O filme na realidade vai arrancar boas gargalhadas de você, então, não se fixe ao preceito de que existe realmente uma história emocionante ou envolvente. O ponto alto aqui não se agarra em agradar críticas ou mergulhar no ser humano interior. O ponto aqui é garantir diversos (e inacabáveis) sorrisos.



 

Um comentário

  1. Assisti o filme e adorei! Muito engraçado e o final deixou a desejar... Beijos

    ResponderExcluir

Expresse-se