Cinema #50 - Ligados Pelo Amor!





Gênero: Comédia Dramatica
Direção: Josh BooneRoteiro: Josh Boone
Elenco: Greg Kinnear, Jennifer Connelly, Lily Collins, Logan Lerman, Nat Wolff, Kristen Bell.
Esta comédia dramática apresenta um escritor de sucesso (Greg Kinnear) que se torna cada vez mais obcecado por sua ex-esposa (Jennifer Connelly), a ponto de criar problemas em sua nova família.










*********************************************************************
AVALIAÇÃO PESSOAL
*********************************************************************
★★★★



Stuck In Love, ou literalmente, “Preso no Amor” é um filme propriamente romântico, mas não do jeito açucarado que você pode imaginar. Ele não só apresenta uma trilha sonora maravilhosamente em sincronia com seu enredo, como também não se fecha apenas em apresentar rostinhos famosos e bonitos (como Lily Collins e Logan Lerman). Com suas frases clichês sobre questões do coração, ele vai com toda certeza te conquistar, se você, assim como eu, é um romântico incorrigível.

Bill é um escritor famoso, e desde seu casamento, anseia que seus filhos também sejam. Mas quem dera a ele, a vida fosse tão mais simples e verdadeira como nos livros. E as coisas não facilitam quando sua esposa lhe trai e sua família acaba se despedaçando lentamente. Por um lado, ele terá Rusty, seu filho, um romântico e apaixonado incorrigível, com sérios problemas emocionais. Por outro, Samantha, sua filha, que amou tanto a ponto de congelar e se tornar gélida e sem sentimentos. No entanto, as coisas estão prestes a mudar. O próximo natal pode ser cheio de surpresas, principalmente se você puder se permitir.

" A dois tipos de pessoas neste mundo. Românticos e realistas sem esperança. O realista só vê aquele rosto assemelhando a todos os que vê.O romântico incurável se convence que Deus o colocou na Terra para estar com aquela pessoa."

O legal neste filme não está na história em si ou no romantismo. O ponto chave aqui é compreender o que a direção do longa quis passar.  O filme logicamente centraliza Bill, o pai divorciado que tem problemas para superar está separação. Mas podemos também elaborar nossa própria divisão. Por exemplo: a centralização está em Bill (Isso é um fato!), mas isto não impede que ele comente dos outros dois protagonistas, Sam e Rusty. Para mim, esse jogo de narradores particulares serviu para demonstrar as diferentes faces do amor, tendo várias versões de um só sentimento, que no final, acabam se contradizendo. Foi uma parte maravilhosa, admito (pelo menos para mim). Quer dizer, o filme tem sim mensagens internas e o enredo acaba não sendo tão previsível quanto você começa a imaginar, devido ao grande número de reviravoltas que ele sofre.

Novamente me satisfaço em dizer que a interpretação de Collins e Lerman foi admirável. Pessoalmente achei uma combinação que tem química, o que remete aos produtores de futuros romances ou filmes, introduzir estes dois artistas no elenco (Lily é demais, mas Emma Roberts ainda é minha gata inspiradora, sorry!)



Por fim, a trilha sonora, que também atinge o nível “ótimo”, apesar das músicas terem um caractere meloso e deprimente. Então, se você não curte filmes românticos, por favor, nem tente assistir. Mas se você, assim como eu, gostou de filmes como As Vantagens de Ser Invisível (com sexo, drogas, filosofias e rock roll), este esta mais que indicado.


Nenhum comentário

Postar um comentário

Expresse-se