Resenha #53 - Um Dia!



Título: Um Dia
Subtítulo: Vinte Anos, Duas Pessoas
Autor: David Nicholls
Tradução: Claudio Carina
Editora: Intrínseca
Edição: 1
Ano: 2011
Idioma: Português
Especificações: Brochura | 416 páginas
ISBN: 978-85-8057-045-8
Peso: 570g
Dimensões: 230mm x 160mm
Dexter Mayhew e Emma Morley se conheceram em 1988. Ambos sabem que no dia seguinte, após a formatura na universidade, deverão trilhar caminhos diferentes. Mas, depois de apenas um dia juntos, não conseguem parar de pensar um no outro. Os anos se passam e Dex e Em levam vidas isoladas - vidas muito diferentes daquelas que eles sonhavam ter. Porém, incapazes de esquecer o sentimento muito especial que os arrebatou naquela primeira noite, surge uma extraordinária relação entre os dois. Ao longo dos vinte anos seguintes, flashes do relacionamento deles são narrados, um por ano, todos no mesmo dia - 15 de julho.


*********************************************************************
AVALIAÇÃO PESSOAL
*********************************************************************
★★★★☆


Vinte anos. Duas pessoas. UM DIA.

O dia 15 de julho de 1988 trás o começo da história de Emma e Dexter, dois jovens que após a formatura acabam dormindo juntos, apesar de que todo o tempo que passaram na faculdade pareciam dois seres de mundos totalmente diferentes. Mais do que uma noite de amor, eles se encontram em uma noite e se tornam amigos, ou até mais que isso. A relação que se passa entre estes personagens é algo além, indefinível.

Depois daquele dia, cada um deles segue um rumo diferente, porém seus caminhos tendem a se encontrar e a se afastar diversas vezes. Enquanto Emma dedica seus dias ao sonho de tentar salvar o mundo, Dexter passa boa parte do tempo viajando pelo globo a custa dos pais.


Nos últimos tempos seu estado de espírito parece com uma caminhada sobre um rio congelado: na maior parte do tempo ele se sente seguro e confiante, mas existe sempre o perigo de afundar.” — (Um Dia)




Às vezes você percebe quando os seus grandes momentos estão acontecendo, às vezes eles surgem do passado." — (Um Dia)

A narrativa de David Nicholls traz certa inovação, onde durante todo o livro ele se detêm a contar o que se passa nas vidas destes personagens apenas durante um dia do ano, o dia em que Em e Dex se conheceram, 15 de Julho, porém achei o enredo bastante cansativo apesar de ser muito interessante. Ao fim da narrativa de cada dia, mil perguntas ficam no ar e com o começo de mais um capítulo outras mil começam a se formar. A cada ano que passa nos deparamos com guinadas e reviravoltas nas vidas de Emma e de Dexter. O autor tem uma sensibilidade enorme quanto aos sentimentos de seus personagens em cada ocasião, e cada um deles tem uma personalidade bem forte e definida.

Não se deve esperar deste livro, um conto de fadas digno de uma grande obra de ficção, pois vai acabar se decepcionando. O contexto da história é muito mais humano, ressaltando as relações humanas e como elas tendem a ser frágeis e complicadas. Muitas são às vezes em que elas parecem ter sido estragadas por causa de uma frase ou outra, tal qual como a vida é, porém como eu havia afirmado antes, o vínculo entre Dex e Em, é muito mais forte do que se possa definir, e mesmo depois de várias decepções, eles continuam lá um para o outro. Eles passam por momentos divertidos como a viajem onde eles acabam parando em uma praia de nudismo, mas também passam por momentos tristes como a tragédia que acontece na família de Dex. No fim estão sempre juntos de certa forma, e este é o aspecto mais bonito destes dois.

O enredo foi colocado de tal forma que seu ápice não me surpreendeu. Talvez tenha ficado melhor elaborado no filme, mas no livro não foi algo tão grandioso assim, digo, não que eu não tenha me emocionado, porém,  a impressão que ficou não foi tão forte assim. Creio que Nicholls poderia ter feito melhor. Por este e por alguns outros pequenos motivos não posso colocar Um Dia como sendo um dos meus livros favoritos apesar de ser uma ótima leitura (recomendo bastante). O livro transmite uma experiência única e tem vários momentos inusitados.

Acho que você gosta de se sentir frustrada e ter menos do que queria ter porque isso é mais fácil, não é? O fracasso e a infelicidade são mais fáceis, porque você pode fazer piada com isso.” — (Carta de Dexter para Emma - Um dia)


Nenhum comentário

Postar um comentário

Expresse-se