Resenha #55 - O Resgate do Tigre!



Título: O Resgate do Tigre
Autor: Colleen Houck 
Editora: Arqueiro
Edição: 
Ano: 2012 
Idioma: Português 
Especificações: Brochura | 432 páginas 
ISBN: 978-85-8041-061-7 
Fé. Confiança. Desejo. Até onde você iria para libertar a pessoa amada?
Kelsey Hayes nunca imaginou que seus 18 anos lhe reservassem experiências tão loucas. Além de lutar contra macacos d'água imortais e se embrenhar pelas selvas indianas, ela se apaixonou por Ren, um príncipe indiano amaldiçoado que já viveu 300 anos. Agora que ameaças terríveis obrigam Kelsey a encarar uma nova busca - dessa vez com Kishan, o irmão bad boy de Ren -, a dupla improvável começa a questionar seu destino. A vida de Ren está por um fio, assim como a verdade no coração de Kelsey.
Em O resgate do tigre, a aguardada sequência de A maldição do tigre, os três personagens dão mais um passo para quebrar a antiga profecia que os une. Com o dobro de ação, aventura e romance, este livro oferece a seus leitores uma experiência arrebatadora da primeira à última página.


**********************************************************************
AVALIAÇÃO PESSOAL
**********************************************************************
★★★★☆

Mais uma vez nos deparamos com a jornada de Kelsey para libertar os seus tigres da maldição de Lokesh, e nesta nova aventura os testes que a jovem terá de enfrentar na busca do segundo presente de Durga estarão ainda mais difíceis e assustadores.

Como já sabemos, no final do primeiro livro, nossa protagonista volta para sua terra natal, deixando para trás o seu lindo príncipe de olhos azul cobalto em uma confusão de sentimentos que a perseguiram ainda por um longo tempo em seu lar. Na tentativa de esquecer Ren, Kelsey acaba se envolvendo com “três” outros garotos (num surto de assanhamento) e quando esta prestes a aprofundar o relacionamento com um deles, Ren volta para ficar ao lado dela. Porém, pouco tempo depois de terem se reencontrado uma reviravolta acontece e Lokesh acaba capturando o amado tigre branco de Kells.

Desta vez, para encontrar o segundo presente de Durga, seu aliado será Kishan, mas as intenções do tigre negro parecem não estar focadas onde deveriam e nossa protagonista terá de lidar ao mesmo tempo com diversos desafios e com seu parceiro nesta jornada, que estará repleta de criaturas místicas inimagináveis nas terras mais frias do que as habituais.  A jovem também terá de se arriscar para salvar o seu amado das garras de Lokesh, porém ela contará com a ajuda do Sr. Kadam, de Kishan e de um novo poder. Muitas reviravoltas e um final de arrepiar esperam pelos leitores da saga da escritora Collen Houck.

E mais uma vez a autora provou que a saga dos príncipes indianos transformados em tigres tem uma grande inspiração da saga da autora Stephenie Meyer. Não que o livro não seja interessante, na verdade é sim, e muito, apesar de ser meio parado no inicio assim como o anterior. Mas certas questões levantadas pela autora neste segundo livro deixam a impressão de que certas partes são quase uma cópia de Crepúsculo. Outro fato que me chamou bastante a atenção neste segundo livro está diretamente relacionado aos presentes de Durga. O eleito da vez parece também suprir algum desejo individual da autora, mas talvez seja apenas impressão minha.

Você não complica minha vida. Você a simplifica. Quando está perto, sei exatamente onde eu deveria estar: ao seu lado. Quando você se vai, apenas corro em círculos, confuso. Minha vida ficou desequilibrada. Fora de foco.”— (O Resgate do Tigre – Collen Houck)

Este segundo livro também traz uma nova proposta para o relacionamento dos protagonistas. Durante certo tempo, após a volta de Ren, eles começam o que parece ser um jogo de sedução, trocando diversos bilhetes românticos com frases poéticas, às vezes feitas por escritores diversos, às vezes compostos pelos próprios personagens.

A narrativa assim como no primeiro traz uma pluralidade enorme de referências sobre criaturas místicas orientais e ocidentais e o enredo continua fluído e simples, o que facilita bastante o entendimento do público infanto-juvenil a que está vinculado à saga.



Nenhum comentário

Postar um comentário

Expresse-se