Cinema #59 - Espelho, Espelho Meu!



Era uma vez uma bela princesa chamada Branca de Neve (Lily Collins). Tudo ia bem até sua madrasta, a Rainha Má (Julia Roberts), assumir o controle do Reino Encantado. A Rainha Má precisa casar com o rico Príncipe (Armie Hammer) para salvar seu reino que está indo à falência. Mas o Príncipe está apaixonado por Branca de Neve e, para conquistá-lo, a Rainha expulsa Branca de Neve para a floresta, onde ela terá a ajuda de divertidos anões para lutar e reconquistar seu trono, além de recuperar o amor de sua vida.









**********************************************************************
AVALIAÇÃO PESSOAL
**********************************************************************
★★★★☆



Esse filme é uma indicação para os amantes dos contos infantis que estão cansados de escutar sempre a mesma história. Espelho Espelho Meu é uma adaptação feita para mostrar que tudo pode ter um recomeço; que a mesma história pode ter diferentes aspectos para se mostrar.

Branca de Neve nasceu do belo amor que existia entre seus pais, contudo, durante o parto, sua mãe acabou morrendo, deixando o rei infeliz. Foram anos de dor e a perca continuava a lhe atormentar, e mesmo mantendo a prosperidade no reino, com todos os habitantes vivendo harmoniosamente, o pai de Branca de Neve necessitava suprir a solidão que lhe tomava. Em vista disto, acabou cansando-se novamente com outra mulher, uma estranha fascinada por beleza que possuía perigosos artifícios escondidos.

Após seu casamento, o reino foi tomado por uma perigosa magia negra, e o rei, frente a defender seu povo, se arriscou pela perigosa floresta para salvar seu povo. Contudo, após uma luta terrível contra criaturas obscura, acabou sucumbindo e sumindo, e seu cavalo foi à única coisa que restou. Desde então, a madrasta assumiu como rainha e vem escondendo Branca de Neve do mundo para que o reino seja todo seu. Mas no seu 18º aniversário as coisas podem mudar. Branca está prestes a testemunhar toda a tristeza que sua madrasta anda empregando sobre o reino e agora depende apenas dela salvar aquilo que seu pai tanto lutou para proteger.

O filme é muito bom, só precisaria garantir menos trocadilhos e mais história. Diferentemente da última adaptação que vi referente a este conto (Branca de Neve e o Caçador), Espelho Espelho Meu garante ser muito diferenciado. Aqui não encontramos anões bondosos e bonzinhos como na história tradicional. Pelo contrário, temos aqui um grupo de ladrões que não se importam em roubar, mesmo que seja dos pobres. Ao mesmo tempo, temos um à inversão da situação. Quem corre perigo durante o filme todo é o príncipe e não a princesa. O feminismo falou mais alto e trouxe o lado guerreiro da princesa para a batalha. Fora isto, temos o ressalto da vaidade da rainha, utilizando-se dos mais variados recursos para conseguir a beleza perfeita, mesmo que isto seja perigoso ou nojento. Esse ponto, especificamente, foi algo bastante legal que achei da história. A cena em que a rainha se prepara para o casamento é ótima, apesar de toda a infantilidade e a linguagem repleta de gírias que os roteirista colocaram.

Pessoalmente acredito que o filme teria ficado muito melhor se os diretores não tivessem centrado só o lado “teen” da coisa, o que acabou colocando tudo a perder, porque tem umas passagens ou diálogos bem idiotas durante o longa. Mas apesar de tudo, é um filme suficientemente bom para poder se assistir até o fim, mesmo que seja dando risadinhas irônicas dos trocadilhos bobos, ou vendo alguns momentos de hilaridade. E não vamos esquecer das vestimentas dos personagens, que sério, somando como cenário ficou muito bom, admitam!



A interpretação de Lily Collins, pra mim, foi ótima (seduziu completamente) e devo admitir que foi outro ponto que adorei na adaptação, apesar das situações que já citei em cima. Mas para fechar mesmo, acredito que a “pegada” meio musical que o filme teve no finalzinho dos créditos, foi minha parte favorita. Não só porque a musica é contagiante (eu sei, quem assistiu deve saber que é muito bizarra a musica, mas o ritmo é legal e acaba te contagiando), mas porque o lance de juntar todos os atores e colocar na história esse lance de musicalidade também o diferenciou bastante. 

O Nome da Musica é Believe In Love :3


 

Nenhum comentário

Postar um comentário

Expresse-se