Resenha #79 - Insurgente!



Na Chicago futurista criada por Veronica Roth em Divergente, as facções estão desmoronando. E Beatrice Prior tem que arcar com as consequências de suas escolhas. Em Insurgente, a aguardada continuação da série de distopia que se tornou o novo fenômeno do disputado mercado Young Adult após Jogos Vorazes, a jovem Tris tenta salvar aqueles que ama - e a própria vida - enquanto lida com questões como mágoa e perdão, identidade e lealdade, política e amor. Com mais de 2,5 milhões de exemplares vendidos, Divergente é a próxima grande franquia da Lionsgate nos cinemas, com estreia prevista para março de 2014.






**********************************************************************
AVALIAÇÃO PESSOAL
**********************************************************************
★★★★★



O mundo que Tris conhece está prestes a ruir. Depois do repentino assalto da Erudição contra a Abnegação, as coisas ficaram feias. Tentando salvar sua vida, depois de ver seus companheiros da Audácia sucumbirem ao controle mental da simulação criada por Jeanine, Tris e Quatro precisam se organizar para ajudar as outras facções, de forma que ainda possam salvar o que restou da sua. Mas numa perigosa empreitada os dois se arriscam por territórios perigosos, lotados de mais e mais surpresas. Um futuro incerto aguarda ambos, e ser Divergente nesse verdadeiro caos pode significar o fim. Tris precisa fazer uma escolha: lutar ou se render? Sobreviver ou morrer?

Insurgente começa com uma introdução bem forte, semelhantemente a este pequeno resumo que fiz do que você vai encontrar nesse volume da trilogia distópica escrita por Veronica Roth. Se você achou Divergente sufocante e empolgante, espere até se deparar com essa maravilha. O livro não só te segura dos instantes em que começa a acontecer, como também faz você almejar lê-lo mais, e uma página não é suficiente para suprir todo seu desejo por mais! Falo com muita segurança quando grito a plenos pulmões que: INSURGENTE É SIM UM DOS MEUS QUERIDINHOS. A narrativa finalizada em seu volume anterior supera e conquista na sua seqüência, e Roth não deixa detalhe algum escapar, voltando sempre à memória do leitor eventos que ocorreram anteriormente. E apesar de ser um jogo bem perigoso, a autora soube muito bem utilizá-lo, não deixando em circunstância alguma, a leitura monótona ou cansativa. Pelo contrário, a cada página a coisa vai ficando cada vez mais angustiante e ao mesmo tempo, empolgante, levando o leitor a delirar nos momentos de ação que são precedidos uns pelos outros. Esse livro em particular tira toda a narrativa monótona do anterior, estando recheado de combates e momentos que fazem você perder até o fôlego. Eu ficava lendo e pensando: “só mais um capítulo”.



Outro ponto que adorei foi ver Tris, mesmo que mais depressiva neste livro, um pouco mais corajosa ao mesmo tempo. Ela está com a língua bem afiada e demonstrou uma personalidade muito mais forte do lado audacioso dela do que dos demais. Apesar claro, de a autora ter reforçado isto e posto todas as característica que nossa protagonista tem para ter tido a oportunidade de escolher as três diferentes facções. Acreditem, você vai se surpreender com as empreitadas que ela entra, mas deixemos isto pro final, na área dos spolers que eu vou colocar logo abaixo, porque sinceramente, necessito falar isto pra alguém. Mas quem não leu ainda, não se preocupe, a letra vai estar numa cor diferente para que não aja risco de você ler sem querer.

Descobri que as pessoas são compostas de camada e mais camadas de segredos. Você pode achar que as conhece, que as entende, mas seus motivos estão sempre ocultos, enterrados em seus próprios corações. Você nunca as conhecerá de verdade, mas às vezes decide confiar nelas. (Pag: 494)

Achei a escrita de Roth muito mais madura também, não só muito mais trabalhada nas descrições, que chegam a ser chocantes, mas também por focar bem mais a sensibilidade da própria narradora, coisa que no primeiro livro ficava bem superficial, em minha opinião. Os personagens estão muito mais trabalhados e finalmente tenho visões perfeitas de todos eles. Não que o primeiro livro não tenha descrito todos de forma a formá-los na sua mente. Neste volume, porém, ela ressalta mais as características psicológicas de cada um, dando um aprofundamento não mencionado anteriormente. O fato é, o livro vai deixar com a simples pergunta na boca: QUANDO SAI CONVERGENTE PELO AMOR DE DEUS?






Nenhum comentário

Postar um comentário

Expresse-se