Cinema #66 - O Senhor dos Anéis: A Sociedade do Anel!



Gênero: Aventura
Direção: Peter Jackson
Roteiro: Fran Walsh, Peter Jackson, Philippa Boyens 
Elenco: Alan Howard, Andy Serkis, Ben Price, Billy Boyd, Billy Jackson, Brent McIntyre, Brian Sergent, Cameron Rhodes, Cate Blanchett, Chris Streeter, Christopher Lee, Clinton Ulyatt, Craig Parker, David Weatherley, Dominic Monaghan, Elijah Wood, Elizabeth Moody, Harry Sinclair, Hugo Weaving, Ian Holm, Ian McKellen, Ian Mune, John Rhys-Davies, Jonathan Jordan, Jono Manks, Katie Jackson, Lance Fabian Kemp, Lawrence Makoare, Lee Hartley, Liv Tyler. , Lori Dungey, Mark Ferguson, Marton Csokas, Martyn Sanderson, Megan Edwards, Michael Elsworth
No mundo da Terra-Média, Frodo Bolseiro (Elijah Wood), um hobbit (uma espécie de criatura mítica, de estatura entre 80 cm e 1,20 m, com pés peludos e bochechas avermelhadas), descobre que o anel mágico que ganhou de seu tio pode ser usado por um mago do mal para escravizar as pessoas de sua terra. Com a ajuda de magos, anões, elfos e outras criaturas que se unem a ele e formam a Sociedade do Anel, Frodo terá de enfrentar uma longa jornada para jogar o anel na Montanha da Perdição. O Senhor dos Anéis - A Sociedade do Anel é o primeiro filme de uma trilogia baseada na série de livros escrita por J.R.R. Tolkien e é considerado um dos mais importantes do século 20.




*********************************************************************
AVALIAÇÃO PESSOAL
*********************************************************************
★★★☆☆



Este é o primeiro volume da trilogia de grande sucesso do autor Tolkien, que não só conquistou o universo literário, como também dominou os cinemas e garantiu os mais inusitados prêmios que se pode esperar de uma boa adaptação. O filme não só garante aos amantes de ficção uma boa dose de aventura e falsa realidade, como também promove uma verdadeira reviravolta com suas cenas chocantes de ação.

Frodo Bolseiro é um jovem rapaz tranquilo, pacífico e o mais inesperado para viver uma aventura. E mesmo carregando um nome já famoso entre os pequenos hobbits, Frodo não passa de um amante da paz. Até claro, que seu amigo e parente, Bilbo, lhe passe seu legado. Há muito tempo atrás, durante suas aventuras, Bilbo encontrou um enigmático anel, com dons assombrosos, capazes de ocultar a presença de quem o usa. Mas esse grande poder possui um preço. Há quem diga que este enorme dom pertenceu a uma criatura maléfica que jogou o mundo em caos e escuridão. E como lendas sempre nascem de realidade, Frodo e Bilbo correm risco de vida. Só destruindo este artefato é possível trazer a paz outra vez. Mas as trevas estão trabalhando e uma nova batalha pelo poder estar prestes a começar.

Em vista disto, os habitantes das terras médias vão se juntar para formarem a Sociedade do Anel, um grupo de corajosos guerreiros que estão encarregados de levar Frodo até o topo das Montanhas da Perdição e ajudá-lo a destruir o mal que habita no anel. Mas que preço isso pode custar? Quanto será para se encontrar a paz novamente? Sangue inocente foi derramado da última vez em que o mal se ergueu. Estaria Frodo pronto para esta batalha?

Inicio minha crítica respondendo esta última pergunta: NÃO. Frodo não está pronto para nada, a não ser sentar, chorar e reclamar. O Senhor dos Anéis – A Sociedade do Anel é um filme carregado de obras místicas que faz seus telespectadores pirarem com seus efeitos especiais. Para montagens da época em que o filme foi produzido, tenho que admitir que ele realmente mereceu o Oscar, mesmo com a qualidade da imagem ainda não sendo das melhores.

A trama faz uma ótima ligação com a atual aventura que esta nos cinemas: O Hobbit (e sim, eu comecei assistindo O Hobbit antes de ver Senhor dos Anéis, me condenem). Fui assistir ao filme, porque depois de ver a Desolação de Smaug, necessitava saber mais. E não concordo com as comparativas alheia que venham sugerir semelhanças entre Senhor dos Anéis e Harry Potter. Não existe absolutamente nada igual entre ambos. Pelo contrário, A Sociedade do Anel (primeiro filme) é muito devagar, mesmo com toda a ação que implantaram. Eu admito que goste de cenas de batalha, mas na medida certa. Para um filme que tem quase 3 horas de filme, seu protagonista passa muito tempo chorando e pouco tempo agindo como tal. Tentei equivaler pelas experiências de Frodo, de nunca ter estado em uma busca perigosa como a que sai. Mas ai me vi comparando-o a Bilbo e cara, é impossível ter comparação. Bilbo dá de dez a zero nele (por favor, fãs de Frodo, não me condenem, mas não curti). E não vamos esquecer dos cenários, que como sempre são o elemento mais chamativo que eu sempre fico surpreso em retornar.

Lothlorien

Em termo adaptação, também não tenho muito que falar. Não conheço os livros (e provavelmente não vou conhecer, já que o filme não me fez lá adquirir vontade de ler), contudo, posso salvar que ambas as filmagens tem muitas semelhanças. Detalhes que você vê no Hobbit são ressaltados neste longa, que foi produzido bem antes. Só posso parabenizar Peter Jackson outra vez pelo excelente trabalho na hora de analisar o que por e o que deixar escapar.



 

Um comentário

  1. Já tentei ver O Senhor do Anéis milhares de vezes, nunca consegui. Mas um dia, eu ainda serei paciente o suficiente.
    http://agalileu.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

Expresse-se