Resenha #90 - Caminhos de Sangue (Dustlands Vol 1)!



Coleção: Dustlands
Título: Caminhos de Sangue (Vol. 01)
Autor: Moira Young
Editora: Intrínseca
Edição: 1
Ano: 2012
Idioma: Português 
Especificações: Brochura | 352 páginas 
ISBN: 978-85-8057-194-3 
Peso: 480g 
Dimensões: 230mm x 160mm

Saba passou a vida inteira na Lagoa da Prata, uma imensidão de terra desértica assolada por constantes tempestades de areia. A miséria e a aridez do lugar não a incomodam, contanto que o irmão gêmeo, Lugh, esteja por perto. Um dia, porém, uma gigantesca tempestade de areia traz em seu rastro quatro cavaleiros de manto negro, e a vida que Saba conhece chega ao fim: seu pai é morto, Lugh é raptado e ela não tem escolha a não ser embarcar em uma perigosa jornada para resgatá-lo.
Repentinamente jogada na realidade selvagem e sem lei do mundo fora da Lagoa da Prata, Saba não sabe o que fazer sem Lugh para guiá-la. Por isso, talvez, sua maior surpresa seja o que descobre sobre si mesma: é uma lutadora incansável, uma sobrevivente feroz, a mais astuta das oponentes. Com a ajuda de um audacioso e atraente fugitivo e de uma gangue de garotas revolucionárias, a busca pelo irmão fará de Saba a protagonista de um confronto que vai mudar o destino de uma civilização.

Com ritmo ininterrupto, muita ação e uma história de amor épica, Caminhos de sangue é uma aventura grandiosa ambientada em um mundo futurista e violento.


**********************************************************************
AVALIAÇÃO PESSOAL
**********************************************************************
★★★★



Caminhos de Sangue é um livro que faz diferencial, não apenas por seus personagens contagiantes, mas também por conter uma das protagonistas mais fortes e valentes que já tive o prazer de conhecer. Com um enredo envolvente, recheado de cenas de ação, Moira Young prepara o leitor para um busca repleta de crescimento pessoal, sacrifícios e valores familiares.

Saba, seus irmãos e seu pai vivem isolados do mundo, num lugar desértico chamado Lagoa de Prata. Sobrevivem com o pouco que tem e se contentam com isto, na paz e pacata área. Mas essa paz está para ser perturbada. Numa certa tarde, homens vestindo uma túnica negra se aproximam e levam Lugh, seu irmão gêmeo, e matam seu pai. Daí em diante, Saba e sua pequena irmã, Emmi vão atravessar os desertos escaldantes e enfrentar o mundo que tanto tiveram medo de ver, em uma busca desesperada para trazer Lugh outra vez.


A beleza pode existir em qualquer lugar... E se não estiver lá, você mesma pode criar.” (Pág: 17)


Caminhos de Sangue é um livro que tinha tudo pra ser marcante e merecer suas cinco estrelas, se não fosse pela narrativa altamente chata que a autora implantou. Acredito que ela tenha tido a ideia de implantar um regionalismo, fazendo de Saba uma péssima narradora. Além de falar bastante errado (e as palavras aparecem também erradas D:) ela ainda tem um sotaque meio caipira (e não, isto não é preconceito). Acredito que uma abordagem nos diálogos ficaria melhor. No caso se invés da autora colocar toda a narrativa, e sim, apenas nas falas da Saba, tudo ficaria melhor.

Tirando este fato, no momento em que você ignora essa narrativa, o livro fica muito interessante. Saba tem uma gota de Katniss, mas apenas uma gota mesmo, bem medida. Elas se diferenciam em tudo. A protagonista, além de ser altamente independente, ainda é muito valente e super engenhosa, buscando sempre o uso do raciocino do que a da força, mesmo em situações desesperadoras (e acredite, ela passa por cada uma). E ainda temos o romance dela com o misterioso Jack. Ele me lembrou o Patch de Sussurro. Com cenas cômicas e quentes, esses dois prometem fazer você ficar vidrado em todos os passos que dão durante sua jornada.

Pessoalmente, adorei o livro e só vejo defeito na maneira de narrar. Espero pessoalmente que tenha uma seqüência aqui no Brasil (nos Estados Unidos já saiu), e que no próximo livro, a narrativa fique menos “regionalizada”.

O mundo uiva furioso no meu redor. E grande demais. Eu sou pequena demais” (Pág 230)

O trabalho editorial da Intrínseca mais uma vez está de parabéns! Além das páginas conterem gravuras do animal de estimação da Saba, o corvo Nero (que é tipo, o personagem mais magnífico do livro, mesmo que ele nunca diga uma palavra), ainda criaram uma separação de partes perfeitas, com mais corvos! *--* Muito lindo mesmo, de verdade.




Nenhum comentário

Postar um comentário

Expresse-se