Resenha #101 - Nós, os Deuses (O Ciclo dos Deuses Vol 1)!



Ficha Técnica
Coleção: O Ciclo Dos Deuses
Título: Nós, os Deuses
Autor: Bernard Werber
Tradução: Jorge Basto
Editora: Bertrand Brasil
Edição: 1
Ano: 2014
Idioma: Português
Especificações: Brochura | 434 páginas
ISBN: 978-85-2861-578-4
Peso: 300g
Dimensões: 230mm x 160mm
 
E se você fosse Deus, o que faria? Conhecido mundialmente pela série best-seller O Império das Formigas, que vendeu mais de um milhão de cópias somente na França, Bernard Werber apresenta mais uma trilogia: O Ciclo dos Deuses. Neste primeiro volume, Nós, os Deuses, a história se passa numa estranha escola na Ilha de Aeden, em que os professores são nada mais nada menos que os doze deuses do Olimpo. Após evoluírem em suas vidas como mortais e desempenharem satisfatoriamente a função de anjo da guarda, os alunos-deuses receberam a missão de gerenciar multidões humanas. Para isso, cada um deles é encarregado de cuidar de uma população, ajudá-la a desenvolver instintos de sobrevivência, criar cidades, guerrear e inventar religiões. Entre os escolhidos para essa nova turma de estudantes divinos estão figuras anônimas, como o protagonista Michael Pinson e seus amigos, e personalidades ilustres, como Marilyn Monroe e Édith Piaf. Em Nós, os Deuses, Werber leva o leitor ainda mais longe na descoberta das espiritualidades e mitologias. No fim dessa extraordinária saga, em que se misturam aventura, suspense e humor, todos vão se perguntar: “E eu, se fosse Deus, o que faria?” Bernard Werber é o escritor francês mais lido em todo o mundo, com todos os seus livros elogiados pela imprensa francesa. Traduzido para mais de 25 idiomas e com mais de 20 milhões de exemplares vendidos no planeta, o autor foi adotado em escolas e universidades de diversos países europeus.
Livro Cedido pela Editora Bertrand Brasil


**********************************************************************
AVALIAÇÃO PESSOAL
**********************************************************************




“O amor como a espada... O humor como escudo”



Dizem que grandes histórias nascem quando você menos espera. Em minha visão atual, diria que Nós, os Deuses, pode sim, ser considerada uma grande história. Este livro não é apenas um verdadeiro baú de conhecimento cultural das mais variadas sociedades históricas, como também idealiza um conjunto de referencias exorbitantes, de um patamar formal que alguns leitores podem não se identificar. Mas não se deixem abater! A obra de Bernard Werber é um verdadeiro poço de conhecimento mitológico, religioso ou social. Com suas visões filosóficas, dotadas de um “peso” referencial, o autor lhe guiará por um enredo reflexivo, forte, bem humorado e altamente sedutor.

“A realidade é o que continua a existir quando se deixa de acreditar” (Pág 121)


Começamos a história sendo apresentados ao protagonista Michael Pinson, uma espécie de anjo que foi promovido a aluno-deus, para seguir a última etapa de transformação do homem. Logo no primeiro capítulo, vemos sua chegada à ilha de Aeden, onde se localiza a cidade de Olímpia, a cidade dos deuses. Lá, Michael, junto com seus fieis amigos Edmond Wells, Raul Razorback, Marilyn Monroe e Gustave Eiffel, vão adentrar nas mais variadas aventuras e perigos, tentando desvendar o segredo de quem é o assassino que tem matado os alunos-deuses. Eles eram 144... Não são mais!

Dentro deste universo fantástico, Werber vai conduzir seus leitores pelos cantos mais remoto dos mitos, trazendo ilustres personalidades como os deuses olímpicos ou até mesmo famosos inesquecíveis. Seus personagens em questão não são meros desconhecidos. Como na série literária das autoras P.C e Kristin Cast, The House Of Night, Werber apresenta que seu universo mítico está totalmente interligado com nossa realidade, onde os alunos-deuses são nada mais que personalidades das mais variadas áreas sociais, como a atriz americana Marilyn Monroe, ou nosso amado escritor poético e aviador, Antoine de Saint-Exupéry (O Pequeno Príncipe). Fato comprovado é que o autor vai fazer referencia a diversas outras personalidades; personalidades essas que você pode ocasionalmente não conhecer, mas não se preocupe, Werber teve a delicadeza de detalhar tudo, logo você passará, a saber, o que cada um foi enquanto influencia na nossa realidade.

“No olhar dos outros, procuramos nosso próprio reflexo.Em primeiro lugar, no olhar de nosso pais.Em seguida, no olhar dos amigos.Depois saímos em busca de um único espelho de referência. Isto significa sair em busca do amor, mas, na verdade, trata-se de uma busca da própria identidade. Uma paixão muitas vezes, é o encontro do “bom espelho”, que nos devolve o reflexo satisfatório nosso. Nesse caso, queremos nos amar e no olhar do outro. Instante mágico aquele em que dois espelhos paralelos trocam, entre si, imagens mutuamente agradáveis. Aliás, basta colocar dois espelhos frente a frente para se dar conta de que refletem centenas de vezes a imagem, em infinita perspectiva. Desse modo, o encontro do “bom espelho” nos torna múltipolos e abre-nos horizontes sem fim... Mas os dois espelhos não são fixos, eles se movem. Os dois apaixonados crescem,amadurecem, evoluem.” (Pág: 116)

“Acho que o saber não pertence a ninguém. Está à disposição de todos. Nada inventamos, nada criamos, apenas recapitulamos conhecimento já existentes antes de nós, cada qual a sua maneira.” (Pág: 95)

Nós, os Deuses é um livro filosófico que trata de temas como existência, crenças e valores da humanidade. Não é atoa que nas aulas dadas pelos 12 mestres do Olimpo, cada deus tem a função de transmitir um valor para seus alunos, para que reflitam e aprendam como tudo é meio cômico e ao mesmo tempo trágico na evolução da humanidade. Quesitos que você jamais imaginou questionar serão questionados após a leitura deste livro. E apesar de em alguns momentos, devido ao grande número de informações que autor trás (porque o Werber é uma espécie de Wikkipédia ambulante D:) o leitor ficar meio perdido (eu fiquei e isso era um tanto chato), a leitura flui. Acredito que as partes mais tediosas foram as sobre o título de “Tempo das Hordas”, que conta um número bem considerável da obra, gerando uma leitura um tanto cansativa, não pela narração, mas pelo pouco foco que possui no enredo central. A história é incrivelmente brilhante, só acho que autor poderia ter focado um pouco mais no central, que seria demonstrar mais seus personagens, principalmente o protagonista, Michael. Sei tão pouco dele! Quero conhecê-lo melhor. Exemplificando melhor, quem leu O Guia do Mochileiro das Galáxias e gostou, com certeza vai se sair bem lendo este livro.

“Somos todos deficientes em amor.” (Pág: 419)


A obra ainda conta com influencia de mitos greco-romanos ou de outras culturas variáveis, como o cristianismo, mitologia nórdica, egípcia e dentre outras. Esse livro é um apurado da mais variadas culturas terrestres, e Bernard Werber se aprofunda em ligar uma lenda a outra, caracterizando-a de acordo com seu contexto cultural. Diria que Nós, os Deuses é um arcabouço de conhecimento variado, não para influenciar, mas para liquidar pensamentos preconceituosos e expandir seus horizontes. Com citações magníficas, de uma amplitude profunda e reflexiva, essa viagem promete um crescimento não só espiritual, mas também pessoal a todos que por ela se aventurarem. E não vamos esquecer a montagem do livro, com sua capa altamente espetacular e COM AQUELE CHEIRINHO DE LIVRO NOVO QUE FAZ O LEITOR NÃO QUERER LARGAR MAIS! Poderia passar páginas e mais páginas falando desse livro, porque, uma resenha é pouco para guardar seu grande conhecimento ou até mesmo para transmitir sua grandeza. Só lendo para descobrir! Para os amantes de mitologia, esse livro, é totalmente indispensável. Werber é um célebre autor genial, com uma inteligência muitas vezes, aparentemente, sobrehumana. Não li sua outra trilogia, O Império das Formigas (a qual ele também cita muito neste livro), mas admito que agora tenha curiosidade de conhecer. E depois do final de Nós, o Deuses, só posso dizer que espero ansiosamente pela sua seqüência.




2 comentários

  1. Adorei a resenha!! Vou ler o livro em breve!

    ResponderExcluir
  2. Oi David!

    Eu amo livros assim: Que transbordam conhecimento! Amei a ponte criado com a realidade e também Marilyn Monroe sendo citada <3 Muito boa sua resenha e bem instigante também, impossível não querer lê-lo urgentemente!

    Beijos
    http://www.estantedasfadas.com.br/

    ResponderExcluir

Expresse-se