Cinema #78 - X-Men: Dias de um Futuro Esquecido!


 
Ficha Técnica
Gênero: Ação

Direção: Bryan Singer

Roteiro: Matthew Vaughn, Simon Kinberg
Elenco: Adan Canto, Alexander Felici, Andreas Apergis, Anna Paquin, Bingbing Fan, Booboo Stewart, Daniel Cudmore, Ellen Page, Evan Jonigkeit, Evan Peters, Gregg Lowe, Halle Berry, Hugh Jackman, Ian McKellen, Jaa Smith-Johnson, James McAvoy, Jan Gerste, Jennifer Lawrence, Josh Helman, Lee Villeneuve, Lucas Till, Mark Camacho, Massimo Cannistraro, Michael Fassbender, Nicholas Hoult, Omar Sy, Patrick Stewart, Peter Dinklage, Robert Montcalm, Shawn Ashmore
 Sinopse
Em um futuro opressor, os mutantes são caçados impiedosamente pelos Sentinelas, gigantescos robôs criados por Bolívar Trask (Peter Dinklage). Os poucos sobreviventes precisam viver escondidos, caso contrário serão também mortos. Entre eles estão o professor Charles Xavier (Patrick Stewart), Magneto (Ian McKellen), Tempestade (Halle Berry), Kitty Pryde (Ellen Page) e Wolverine (Hugh Jackman), que buscam um meio de evitar que os mutantes sejam aniquilados. O meio encontrado é enviar a consciência de Wolverine em uma viagem no tempo, rumo aos anos 1970. Lá, ela ocupa o corpo do Wolverine da época, que procura os ainda jovens Xavier (James McAvoy) e Magneto (Michael Fassbender) para que, juntos, impeçam que este futuro trágico para os mutantes se torne realidade.


*********************************************************************
AVALIAÇÃO PESSOAL
*********************************************************************




Depois de me encher com filmes como Primeira Classe e o Wolverine das mais variadas qualidades, a Marvel finalmente me apareceu com um filme de X Men forte e emocionante quanto os tradicionais sabiam ser. Em X Men Dias de um Futuro Esquecido, você será encaminhado para uma trama altamente envolvente, com um desfecho mais magnífico ainda, cheio de reviravoltas e momentos de tensão.

O futuro se tornou algo monstruoso para quem é mutante. A humanidade regrediu e diversas vidas foram perdidas. Resta apenas uma pequena resistência que insiste em lutar por sua liberdade. Liderados por Professor X e Magneto, os X Men lutam para tentar sobreviver diariamente à terrível ameaça que os Sentinelas representam a todo ser que possua o genes X. Mas o tempo está se esgotando e os robôs estão se mostrando cada vez mais brutais. Para evitar que o futuro se torne esse desastre, Wolverine é enviado ao passado, para que impeça os eventos que levaram o mundo a ser o que é. Mas nessa perigosa busca em reescrever o futuro, novas ameaças e conturbações podem surgir no caminho, ao mesmo tempo em que no futuro, os membros restantes da equipe travam sua última e decisiva batalha.


Esse deve ser o filme em que eu mais fiquei na dúvida sobre qual melhor interpretação devo citar. Sem sombra de dúvidas, o elenco maduro e o juvenil do longa se preparou e transformou o que era ficção em realidade. Acreditem quando digo que todos os atores foram excelentes nas suas interpretações, a ponto de me fazer acreditar que aquilo é verdade. Mas claro, temos nossos ladrões de cena. Em primeiro lugar Evan Peters, como Mercúrio. O cara realmente animou as cenas com graça e admirável interpretação. Em segundo, Patrick Stewart e James McAvoy. Sem sombra de dúvidas essa dupla ai precisa atuar mais vezes. Que cenas tocantes e incríveis foram as que os dois aparecem juntos! Realmente de arrepiar.

O joguete da produtora de juntar as duas gerações deu mais do que certo eu diria, e topo por uma seqüência que faça isso novamente. Não só envolveu uma trama altamente emocionante, como arquitetou um jogo de tempos que deixam o telespectador de queixo caído. Nunca tinha visto um filme de X Men que me deixasse tão apreensivo com o rumo que as coisas iam tomar. E os Sentinelas D: Cara, apavorantes! Não espere ver aqueles meros robozinhos arroxeados do desenho. No filme eles estão muito mais para humanóides mutantes e zumbis do que para robôs. São diversas as cenas em que o combate gera aquela tensão na sala do cinema, ou faz todo mundo segurar a respiração. Só acredito, que o que deixou a desejar foi o fim. Creio eu que houve muita centralização na história da nossa Mística (Jen sua linda, detonou mais uma vez!), e acabou ficando sem tempo para um grand-finale. Pessoalmente achei muito corrido como os eventos ocorrem nos últimos instantes do longa, e esperava mais detalhes. Contudo, nada que afete a grandeza ou detalhes mais relevantes por hora. Só imaginava ter mais um pouco sobre alguns acontecimentos que podem deixar você de boca aberta (aguarde muitas reviravoltas nesse filme ok?)



E para fechar, vamos falar da cena bônus! E que cena bônus. Bem são poucos instantes, mas com certeza já dá pra ter uma idéia do quão chocante vai ser o desfecho de mais uma trilogia mutante. Aguardem Apocalipse no próximo filme. E se você ainda não assistiu e vai assistir, lembre-se de ficar até todas as letrinhas dos créditos rolarem. É lá que está a maior tapa que o telespectador pode tomar. Quando achei que a Marvel não podia mais surpreender, ela te pega assim, sem aviso!



Nenhum comentário

Postar um comentário

Expresse-se