Resenha #115 - O Hobbit!



 Ficha Técnica:
Título: O Hobbit - 75 Anos da 1ª Edição
Subtítulo: Edição Comemorativa 
Autor: J. R. R. Tolkien
Editora: WMF Martins Fontes
Edição: 1
Ano: 2012
Idioma: Português
Especificações: Capa dura | 320 páginas
ISBN: 978-85-7827-630-0
Peso: 410g
Dimensões: 205mm x 130mm
 Sinopse: 
Os hobbits são seres muito pequenos, menores do que os anões. São de boa paz, sua única ambição é uma boa terra lavrada e só gostam de lidar com ferramentas manuais. Este livro tem como personagem central o hobbit Bilbo Bolseiro. Ele vive muito tranquilo até que o mago Gandalf e uma companhia de anões o levam numa expedição para resgatar um tesouro guardado por Smaug, um dragão enorme e perigoso.


*********************************************************************
AVALIAÇÃO PESSOAL
*********************************************************************
 



Uma aventura instigante, com um gostinho de infância.

Há muito tempo, um maligno dragão tomou o lar dos bravos anões, roubando-lhe todas as suas riquezas. Thorin, o príncipe, perdeu toda a sua família e sua nação. Mas isto está para mudar. O mago Gandalf juntou-se a ele no intuito de ajudá-lo a recuperar seu lar e derrotar o dragão. Porém, para que está batalha seja vencida, a esperança pode estar na mais inusitada das criaturas existentes desse universo: um pequeno hobbit preguiçoso, conhecido como Bilbo Bolseiro. Juntos irão embarcar numa inestimável aventura cheia de perigo e revelação.

Esse livro te abraça e te leva a acreditar nos velhos contos da carochinha; não se necessita ser grande para fazer a diferença. A história de Bilbo não só é muito sedutora e gostosa de ler, mas te agarra de uma maneira que o leitor não consegue mais soltar. J.R.R Tolkien merece todas as honras que são depositadas aos seus livros. Não só nos mostra uma narrativa despretensiosa e simples, como surpreende seus leitores com fortes referencias a sociedade a qual estamos interligados. O Hobbit, aparentemente infantilizado, tem toda uma trama muito mais maligna e tenebrosa. Este é um daqueles livros que você pega para ler no cair da noite e quando percebe o dia já amanheceu.

É estranho, mas as coisas boas e os dias agradáveis são narrados depressa, e não há muito o que ouvir sobre eles, enquanto as coisas desconfortáveis, palpitantes e até mesmo horríveis podem dar uma boa história e levar um bom tempo para contar.”

Voltar? Pensou. Não adianta nada! Ir para os lados? Impossível. Ir em frente? A única coisa a fazer.”

Com personagens magníficos e cenários mais lindos ainda, Tolkien dá origem a um universo que não muito se diferencia dos encantos que As Crônicas de Narnia fazem o leitor viver. Se você for fã de C.S Lewis, então, aposte em O Hobbit e divirta-se nessa aventura engraçada e despretensiosa. O único ponto negativo que consegui encontrar para citar, foi à narrativa da Floresta das Trevas. Essa parte especificamente ficou um pouco cansativa e longa demais. São diversas páginas apenas de narração, nada de diálogos ou momentos eletrizantes, só agonia e descrições longa sobre o que está se passando com os personagens neste momento. Foi uma das partes do livro que mais demorei a ler, não só porque não gosto de longas descrições (grande problema que tenho encontrado em Cassandra Clare ultimamente), mas porque este capítulo em particular é bastante longo também. Fora isto, tudo demais é perfeito. Cronologicamente, só acredito que o livro seria ainda melhor, se fosse numa pesperctiva de terceira pessoa. Em primeira pessoa ficou ótimo, até porque, o foco aqui está na transformação que Bilbo vai sofrendo no decorrer da história, contudo, acaba deixando brechas que pode acabar chateando os leitores. Essa é uma das especificas razões que uso para justificar que dessa vez, prefiro o filme ao livro, porque na adaptação, o campo ficou amplo e você vê os vários acontecimentos que vão se formando, enquanto o enredo o central continua a puxar todas para um ponto só. No livro, por exemplo, os sumiços de Gandalf nem são explicados, o que me chateou bastante. Acho de suma importância a atenção que os produtores cinematográficos deram para estes pontos. É de se esperar que entenderei ainda mais todo o enredo após ver a última parte da trilogia. Mas também não precisa se apavorar ou desistir do livro. A obra explica o enredo central sim, sem deixar brechas, só não ressalta os conflitos externos que vão se formando conforme os personagens vão influenciando no cenário a sua volta. A boa dica que eu dou é: leia e depois veja os filmes. Tem crítica aqui no blog caso queira ler (Uma Aventura Inesperada) (A Desolação de Smaug).

O livro ainda conta com diversas ilustrações feitas pelo autor; é cada uma mais legal que a outra.

 

   


E ainda temos dois mapas :3

  



Um comentário

  1. Eu li o hobbit de capa original, mas me chamou bastante a atenção nesta edição as ilustrações e os mapas. Pretendo comprar esta edição por causa das gravuras e mapas extras, além da capa ser mais bonita.

    http://livrandoporai.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Expresse-se