Cinema #83 - 5 Centímetros Por Segundo!



Ficha Técnica
Título: 5 Centimeters Per Second
Diretor: Makoto Shinkai
Duração: 63 min
Gênero: Drama, Romance
Ano: 2007
 Sinopse
O filme é uma compilação de 3 episódios:
“Cherry Blossom Story” (桜花抄): Tono Takaki (Mizuhashi) e Shinohara Akari (Kondo) conheceram-se na escola primária e tornaram-se muito próximos. Mas ela, Akari, teve de se mudar com a família para uma região longe de Tóquio. Os dois continuam a trocar correspondência, e um dia é Takaki que se tem de mudar – para Tagoshima, uma ilha situada no Oeste do Japão. Takaki decidi ver Akari pela última vez, empreendendo uma longa viagem de comboio até Tochigi.
“Cosmonaut” (コスモナウト): Anos depois, em Kagoshima, Sumita Kanae (Hanamura) está apaixonada por Takaki, colega dela, mas este parece ter a mente sempre num local distante. Além de se sentir deprimida por não ser, aparentemente, correspondida, Kanae está indecisa em relação ao seu futuro, adiando a escolha do curso universitário.
“5 Centimeters per Second” (秒速5センチメートル): De volta a Tóquio, Takaki, agora adulto, debate-se com melancólicas memórias do passado e entra em ruptura com as suas relações sentimentais e laborais. Akari está em Tochigi e prepara-se para viajar. Poderão os dois voltar a encontrar-se em Tóquio?


*********************************************************************
AVALIAÇÃO PESSOAL
*********************************************************************




Um filme sobre a distância para ser absorvido lentamente. A animação baseada no mangá de mesmo nome foi reproduzida magnificamente pelo diretor Makoto Shinkai. Sua trama é dividida em três partes contínuas, Cherry Blossom (Flor de Cerejeira), Cosmonaut (Cosmonauta) e 5 Centimeters Per Second (5 Centímetros por Segundo).

Durante o primeiro capítulo somos apresentados aos personagens principais da trama (Takaki e Akari) enquanto estes ainda são crianças e divagam alegremente com as coisas que fariam durante os verões de sua vida.

Avançamos no tempo para nos depararmos com os dois já apartados e mais velhos, comunicando-se através de cartas, já que devido a uma mudança de emprego dos pais, Akari é obrigada a se mudar, ato que Takaki também faria em breve, distanciando-se ainda mais da garota. Os sentimentos revelados pela narrativa do conteúdo das cartas não aparentam ser apenas de saudades, mas uma versão mais pura do amor, demonstrado não pelas palavras escritas, mas pela insistência em continuar a escrevê-las, e é nesse contexto que apesar da distância, eles combinam de ser ver uma última vez, antes da partida de Takaki.



Takaki-kun não seria legal se fossemos assistir às pétalas de cerejeiras juntos novamente?”

No segundo capítulo, encontramos o garoto já adaptado em sua nova escola, e a trama abre espaço para outra garota, uma colega de Takaki chamada Sumida (não, ela não sumiu, esse é o nome dela), que demonstra estar perdidamente apaixonada por ele, e apesar de ser uma personagem secundária, ela demonstra sentimentos tão puros que você acaba torcendo por ela da mesma forma que torce pelo reencontro de Takaki e Akari no primeiro capítulo.

Já no último capítulo, nos resta a apreensão sobre o destino de Takaki e Akari quando eles voltam para a cidade em que viveram sua infância juntos.

Mesmo assim, estou certa de que mesmo quando o amanhã chegar, ou no dia seguinte, ou depois, eu ainda estarei perdidamente apaixonada... (pelo Tohno-kun)”

O filme é visualmente deslumbrante, e só por sua exuberância a experiência de assisti-lo é valida. Os cenários que vemos nele, apesar de serem majoritariamente os que vemos no nosso cotidiano (como salas de aula, estações de trem, lojas de conveniência ou ruelas), sob a visão de Makoto Shinkai, tudo ganha um toque de magia e de beleza.

Outro ponto que vale a pena ressaltar é a forma como o diretor consegue transmitir a perspectiva da distância (tema do filme) na maioria dos cenários, colocando os personagens minúsculos em cenários grandiosos, demonstrando sua insignificância diante do espaço que os separa. Ou quando vemos no primeiro capítulo, um pássaro percorrer a distância que os separa em questão de minutos, quando eles, devido as convenções humanas, demorariam horas para tal.

“Somente por viver uma vida, tristeza se acumula aqui e ali...”

Quando eu comecei a escrever mensagens que nunca são enviadas? ...eu havia perdido tudo que era bonito”

PS: *Dizem que são 5 centímetros por segundo, a velocidade com que as pétalas de cerejeira caem* Daí o nome do filme.


Nenhum comentário

Postar um comentário

Expresse-se