Resenha #128 - Histórias de Fadas!



Ficha Técnica
Título: Histórias de Fadas
Autor: Oscar Wilde
Tradução: Octavio Mendes
Editora: Nova Fronteira
Ano: 1973
Idioma: Português
Especificações: Brochura | 176 páginas
 Sinopse
Coletânea com os melhores contos de Oscar Wilde e um excelente prefácio assinado por Fernando Correia da Silva, com dados biográficos sobre o autor. Contos: - A esfinge sem segredo - O modelo milionário - O fantasma de Canterville - O jovem rei - O aniversário da infanta - O Pescador e a sua Alma - O Foguete Notável - O Filho da Estrela - O amigo dedicado - O Gigante egoísta - O Rouxinol e a Rosa -O Príncipe feliz.


*********************************************************************
AVALIAÇÃO PESSOAL
*********************************************************************


Oscar Wilde é um celebre autor dos contos infantis, que com suas histórias seduz um público interminável, mesmo depois de muitas gerações. Porém, devido a sua linguagem mais rebuscada e excesso de descrições, sua obra, Histórias de Fadas não me conquistou e não acarreta numa leitura que eu vá repetir. Talvez seja pelo público ao qual está voltado, ou pelo fato de que mesmo se tratando de contos de fadas, não faz meu estilo.

A obra em suas 176 páginas vem dividida em seus nove contos, todos voltados a público infantil, mas que ocultam uma relação bem mais profunda se avaliando como crítica social. Wilde não só discorre sobre temas polêmicos da época, como religião e homossexualismo, como também ilustra diversas contradições humanas, ressaltando o lado mais maligno do homem em si. Se você gostar de contos com “felizes para sempre” não se aventure. TODOS OS CONTOS POSSUEM FINAIS TRÁGICOS, e não, isso não é spolers, é só uma alerta a quem quiser se aventurar enganando-se na idéia de que é algo meloso e previsível. Previsível não combina com este autor.

Para pontuar, vou separar por contos ok?

Não há nada neste mundo que seja mais nobre ou raro do que uma amizade dedicada

O Príncipe Feliz, O Foguete Notável, o Amigo Dedicado e o Rouxinol e a Rosa são os contos mais fantástico, para mim, de todo o livro. Além das diversas metáforas e críticas sociais, os contos sempre fazem alusões às mortes belas, sobre o pretexto de um sacrifício que valha a pena se sacrificar. São histórias esplêndidas, singelas e tocantes, que fazem seus sentimentos aflorarem, mesmo que estes sentimentos sejam desprezíveis (tipo querer matar um certo Moleiro).

Mas o amor não está mais em moda. Os poeta o mataram.

Sem dúvidas o amor é uma coisa maravilhosa. Ele é mais precioso do que a esmeralda e mais refinado que a opala.

O Gigante Egoísta é um dos meios termos. No comecinho a narrativa parece bem cansativa e confusa, de forma que a história pode parecer boba e sem nexo. Contudo, conforme o personagem vai se mostrando, você vai se envolvendo com o cenário e torcendo para que pelo menos dessa vez todos possam ser feliz, o que nunca é o caso quando Wilde está escrevendo nessa bagaça! Não espere finais com flores e beijos (talvez beijos).

O Jovem Rei, o Aniversário da Infanta, O Filho-da-Estrela e o Pescador e sua Alma são os contos mais tediosos do livro. Esses quatro compõem o desfecho da obra, e não sei se era porque já estava meio prevendo o restante da história, ou adivinhando como seriam os personagens, os contos acabaram perdendo a graça para mim, tornando-se longos e chatos. Uma leitura realmente complicada, principalmente o Aniversário da Infanta, onde eu acredito que o autor tenha exagerado um pouco no quesito descrição. Para ilustrar isso, segue-se o exemplo: a dona fulana era a avó do protagonista. Essa dona fulana era filha de dona cicrana, que era filha de... E assim por diante. Eu não entendi nada da central do conto (a não ser que a essa princesa ai é um cão e que o final é muito triste), mas sei dizer toda a árvore genealógica da mulher (KKKKKKKKKK). Acho que se autor tivesse explorado esses contos nos diálogos, como fez nos anteriores, a história teria garantido outros ares e uma visão menos tediosa.


Nenhum comentário

Postar um comentário

Expresse-se