Cinema! #91 - Transformers: A Era da Extinção!



Gênero: Ação
Direção: Michael Bay
Roteiro: Ehren Kruger
Produção: Don Murphy, Ian Bryce, Lorenzo di Bonaventura e Tom DeSanto
Ano: 2014
 Sinopse
Anos após o grande confronto entre Autobots e Decepticons em Chicago, os robôs alienígenas desapareceram e são atualmente caçados pelos humanos, que não desejam outra catástrofe como aquela. Quando Cade (Mark Wahlberg) encontra um caminhão abandonado, ele jamais poderia imaginar que o veículo é na verdade Optimus Prime, líder dos Autobots. Muito menos que, ao ajudar a trazê-lo de volta à vida, Cade e sua filha Tessa (Nicola Peltz) entrariam na mira das autoridades americanas.


**********************************************************************
AVALIAÇÃO PESSOAL
**********************************************************************



Bem esquematizado, com efeitos visuais invejáveis e recheado de ação do inicio ao fim, deixando seus telespectadores presos as telonas. Transformers – A Era da Extinção marca um novo recomeço, com novos esquemas e uma trama aparentemente muito mais sombria, onde seu único ponto fraco torna-se os atores, que em hipótese alguma trabalham tão bem em conjunto quanto à primeira equipe.

Após a brutal guerra em Chicago, os Autobots foram caçados, destruídos e obrigados a se esconder. Mas o retorno de uma ameaça iminente de anos atrás pode resultar na volta dos robôs, que para o governo, são nossos principais inimigos. Em um esquema corrupto, onde os meios justificam os fins, a CIA trabalha para destruir totalmente os Autobots, enquanto novos Decepticons são criados em massa, muito mais avançados e com um poder destrutivo apavorante. Optimus e seus amigos enfrentaram o inicio de uma guerra não de clãs diferentes, mas sim de um universo oposto, e para sobreviver, vão precisar mais uma vez da mão nada sutil de humanos. Que custo esta batalha cobrará?

A trama de Transformers volta com força total em mais uma aventura de tirar o fôlego, mas o elenco novo não exerce tanto amor ou apego quanto os primeiros personagens, e ai vai o primeiro ponto negativo deste filme. Para quem já vem acompanhando a série desde seus primeiros passos sabe o quanto foi decepcionante assistir ao terceiro longa sendo que a diva/linda Megan Fox não participasse do filme. As coisas já ficaram meio abertas ali, quando o protagonista, Sam, aparece nas filmagens com um novo amor loiro, totalmente oposta à última mocinha da história. Depois de muitas reclamações, a loira conseguiu alavancar um cantinho no coração dos fãs. Para nossa surpresa, neste quarto volume da saga, não temos nem registro sobre Sam ou qualquer outro envolvimento humano anterior, o que pode ser interpretado como um buraco gigantesco, levando em conta que a batalha de Chicago é mencionada e centralizada em diversos momentos da trama. Eu sinceramente achei meio tosco dos produtores nem ao menos citarem o que aconteceu ao protagonista após o fim de sua geração. Ficou uma imensa lacuna, quem nem o número elevado de ação foi capaz de acobertar. E não só isso, o elenco também deixa a desejar, pois se percebe que os novos atores não possuem a sintonia que os anteriores possuíam. Mark Wahlberg é o que temos de mais perto a melhor interpretação, levando em conta que ele demonstra ser um dos atores que mais mostra ter alguma ligação com os robôs gigantes. Já o mesmo não se pode dizer da atriz Nicola Peltz, que pra mim, fora sua beleza, não marca pontos pela sua fraca interpretação.




Mas não apenas isso afeta o enredo. O grande número de vilões transforma a história em algo longo e meio repetitivo demais, onde as cenas parecem ser vir sequenciadas da mesma maneira: historia – luta – historia – luta, e etc.

Contudo, o filme ainda é liderança no quesito originalidade, visualmente bem produzido e altamente envolvente, com arranjos musicais perfeitamente arquitetados para adentrar as cenas nos segundos exatos, dividindo tudo em um misto de tensão e emoção. E mesmo que o final tenha sido bem aberto, o próximo volume da franquia ainda promete muito mais história, onde provavelmente saberemos mais do passado dos Transformers! Isso mesmo, essa nova trilogia está explorando as origens de Optimus e dos Autobots. Se diferentemente de mim, você não assistiu aos volumes anteriores, ou não dá importância as lacunas que possam ficar, Transformers – A Era da Extinção é uma ótima pedida para quem se aventura em filmes eletrizantes, recheados de adrenalina.


Um comentário

  1. Estou ensaiando para assistir esse filme faz tempo. Prefiro muito mais o filme um, os outros foram perdendo a graça

    Tudo que Motiva

    ResponderExcluir

Expresse-se