Resenha #179 - O Desafio de Ferro (Magisterium Vol 1)!


O Desafio de Ferro
Ficha Técnica
Coleção: Magisterium
Título: O Desafio de Ferro
Autor: Holly Black e Cassandra Clare
Editora: #Irado
Edição: 1
Ano: 2014
Idioma: Português
Especificações: Brochura | 381 páginas
ISBN:9788581635576
 Sinopse
O Desafio de Ferro - AMIGOS E INIMIGOS. PERIGO E MAGIA. MORTE E VIDA.
A maioria dos garotos faria qualquer coisa para passar no Desafio de Ferro. Callum Hunt não é um deles. Ele quer falhar. Se for aprovado no Desafio de Ferro e admitido no Magisterium, ele tem certeza de que isso só irá lhe trazer coisas ruins. Assim, ele se esforça ao máximo para fazer o seu pior... mas falha em seu plano de falhar.
Agora, o Magisterium espera por ele, um lugar ao mesmo tempo incrível e sinistro, com laços sombrios que unem o passado de Call e um caminho tortuoso até o seu futuro. 
Magisterium - O Desafio de Ferro nasceu da extraordinária imaginação das autoras best-seller Holly Black e Cassandra Clare. Um mergulho alucinante em um universo mágico e inexplorado.


**********************************************************************
AVALIAÇÃO PESSOAL
**********************************************************************


O fogo quer queimar.
A água quer fluir.
O ar quer se erguer.
A terra quer unir
O caos quer devorar.

 


A nova narrativa de Black e Clare leva o leitor por uma gostosa aventura com gosto de criança e ingenuidade. O Desafio de Ferro, primeiro volume da série Magisterium, retoma um pouco da magia existente na adorável saga de Harry Potter.

Callum nasceu com um defeito na perna. Desde muito pequeno seu pai o instruiu a temer os bruxos. Mesmo possuindo a magia como uma parte de sua vida adormecida, ele sempre teve curiosidade de saber mais, de querer mais, mas Alastair, seu pai, sofrendo pelo passado nebuloso e o futuro negro que poderá ser se seu filho cair nas mãos dos magos do Magisterium. Para que isso não acontecesse, o treinou para que reprove no teste e para que não seja levado. Contudo, o plano falha. Call possui mais talento do que espera, e mesmo tentando fortemente reprovar, suas habilidades inativas o contrariarão. 

Assustado e desconhecendo esse novo mundo que se abre para si, Call embarcará em uma aventura perigosa, rumo ao seu passado, garantindo revelações que desestabilizaram seu futuro.

O livro a qual todos julgavam promissor, a meu ver foi fraco. Para um primeiro volume de série, com certeza faltou um Q de “quero mais”. Não só pela narrativa cansativa e repetitiva, onde a cada capítulo as autoras insistiam em repetir o dilema no quote acima, mas pelos personagens mal explorados, que poderiam ter sido muito bem mais trabalhados se avaliando as longas 381 páginas da obra. O Desafio de Ferro apresenta uma história legal, até envolvente, mas a forma de narrativa torna tudo isso um mínimo ponto positiva. Além de imaturos personagens (e sim, eu sei que os personagens são crianças), grande parte da obra fica focada no relacionamento dos três protagonistas: Aaron, Call e Tamara, que convenhamos ocorre sem mais nem menos, principalmente quando avaliamos a personagem Tamara em particular. Além de super chata, a garota sofre diversas alterações de personalidade, onde num momento está odiando Call e no outro o defende. Isso me deixou totalmente confuso. O relacionamento amigável entre os três não me convenceu, assim como nenhum personagem em questão me prendeu. A coisa entre eles acontece tão rapidamente que mais pareceu um ponto mal desenvolvido da obra (e talvez seja, se não o mais trágico). A grande junção de personagens é uma alternativa para o deficit nos protagonistas. Isso sem contar, no quase antagonista, que além de super previsível, ficou tosco, mal teve reflexo na obra e do nada, desapareceu. Essa parte em questão super me irritou.


As comparações feitas ao universo de HP são válidas até certo ponto. Os personagens criados por Rowling foram muito melhor aprofundados, e em menos páginas, se avaliado que A Pedra Filosofal tem cerca de 150 (acredito). Essa característica fica ainda mais vívida quando visualizamos Hermione e Tamara, ambas as mentes do grupo, mas que sempre são meio excluídas. Onde Hermione se torna a companheira que todo mundo quer ter, Tamara passa ser a garota chata que sai descontando nos outros as frustrações que sofre em sua vida pessoal. Além disso, quando leio livros que informem sobre escolas, acampamentos, ou lugares místicos, geralmente tenho muita vontade de conhecê-los. O Magisterium com certeza não é um desses. Sem personalidade e pouquíssimos chamativo, as cavernas mais parecem uma prisão, e os professores, carrascos. Ao passo que você vê os protagonistas mal estruturados e adequados a narrativa, você percebe o buraco ainda maior que fica sobre os secundários.

Como se não bastasse isto, o velho clichê mimimi aparece até a página 300, onde me pareceu que nenhuma informação relativamente importante foi dada, e as autoras só fizeram enrolar na leitura, rumo a demorar para finalizar o livro... E ainda mal finalizado. Pessoalmente não me prendi a nada em particular. Black e Clare podem ser excelentes autoras individualmente, mas nessa saga, precisam amadurecer e trabalhar melhor o que abordar. A trama, o único e positivo ponto que me fez continuar, tem tudo para ser trabalhada melhor, quem sabe nos próximos volumes, o que vai com certeza a me levar a querer conhecer a continuação e ceder mais uma chance. Mas 381 páginas foi algo realmente desnecessário ao me ver, tornando não só a historia um imenso lenga-lenga, como aumentando minha visão de protagonistas mal adequados em seu próprio enredo.

Outro ponto positivo foi a diagramação. Cada capítulo vem ilustrado com uma imagem que retome algum elemento do capítulo. Além disso, claro, a capa, bem chamativa, ilustrando os personagens e o principalmente antagonistas (aparentemente) da série.

 



Holly Black é uma escritora norte-americana que mora em West Long Beach, New Jersey. Ela ficou mundialmente famosa após escrever a série de livros As Crônicas de Spiderwick. Holly Black é uma grande colecionadora de livros raros de folclore. Em seus primeiros anos de vida ela morou em uma mansão abandonada em estilo vitoriano com sua mãe, que contava a ela várias estórias de fantasmas e fadas.
Seu primeiro livro, Tithe: A Modern Faerie Tale, foi muito bem recebido pela crítica e foi publicado no outono de 2002. A escritora só viria a ficar famosa um pouco mais tarde, com o lançamento do livro As Crônicas de Spiderwick: O Guia de Campo, primeiro livro da série As Crônicas de Spiderwick.


Cassandra Clare nasceu em uma família americana no Teerã, Irã e passou grande parte de sua infância viajando pelo mundo com sua família, incluindo uma caminhada pelo Himalaia quando criança, que foi quando ela passou um mês vivendo na mochila de seu pai. Antes dos seus dez anos de idade ela morou na França, Inglaterra e Suíça. O fato de que sua família se mudava muito, ela encontrou familiaridade nos livros e estava sempre com um livro debaixo do braço. Ela passou seus anos de escola em Los Angeles, onde ela costumava escrever histórias para divertir seus colegas, incluindo um romance épico chamado "The Beautiful Cassandra", baseado na homônima história de Jane Austen.

Após a faculdade, Cassie viveu em Los Angeles e Nova York, onde trabalhou em várias revistas de entretenimento e até mesmo em alguns tablóides bastante suspeitos, onde ela relatou sobre a viagem ao mundo de Brad e Angelina e as avarias do guarda-roupa de Britney Spears. Ela começou a trabalhar no seu romance YA, Cidade dos Ossos, em 2004, inspirada na paisagem urbana de Manhattan, sua cidade favorita. Ela dedicou-se em tempo integral em sua ficção fantasia.
A primeira venda profissional de Cassie foi um conto chamado "The Girl’s Guide to Defeating the Dark Lord", em uma antologia Baen de fantasia humor. Cassie odeia trabalhar em casa sozinha, porque ela sempre se distrai por reality shows e as travessuras dos seus dois gatos, por isso ela geralmente se propõe a escrever em cafés e restaurantes locais. Ela gosta de trabalhar na companhia de seus amigos, que vêem que ela adere a seus prazos.
Atualmente, reside em uma antiga casa vitoriana em Nova Iorque com seu noivo, seus gatos, e lotes e lotes de livros. A triologia The Mortal Instruments tem sido citada em muitas listas de Best-Sellers



3 comentários

  1. Olá!

    Acredita que sou super fã da Holly Black e Cassandra Clare, tenho esse livro em casa e nunca o peguei para ler?! A trama parece ser muito boa e a capa é linda, assim como a diagramação! Adorei sua resenha e fotos! Uma pena que o livro não foi tudo o que você esperava!

    Beijos!
    Participe do sorteio de Melhor Que Chocolate: http://www.mademoisellelovesbooks.com/2015/03/resenha-premiada-melhor-que-chocolate.html

    ResponderExcluir
  2. Nossa, quando eu vi sua nota de estrelinhas meus olhos acho que foram parar longe. Poxa, jura que você não gostou? D: A Tamara é bipolar, mas até aí realmente existem pessoas assim. Acho que a amizade deles evoluiu só por estarem no mesmo grupo, mas eles ainda não conseguiram criar uma relação forte em si. E a intenção das autoras talvez não foi mostrar como é bom estar numa "caverna", e sim a magia, como ela e os cinco elementos funcionam. No começo também tendi a fazer comparação com HP, mas no decorrer muda bastante, e poxa, o final pelo menos pra mim foi criativo e surpreendente, acho que até então ninguém fez uma história assim, onde se pode ser herói e vilão ao mesmo tempo, e não exatamente por escolha. Mas bom, acontece né, eu também prefiro os livros delas separados, mas até não achei Desafio de ferro tão ruim

    xx Carol
    http://caverna-literaria.blogspot.com.br/
    Tem post novo no blog sobre filmes, vem conferir!

    ResponderExcluir
  3. a sua eh a primeira opiniao que nao vejo falando super bem do livro, eu sinceramente acho que vou gostar, to doida pra ler esse livro mas ta faltando tempo. cassie e holly num livro so? acho que vou morrrerrr, tenho mts boas expectativas para a leitura e espero nao me decepcionar
    tonsdeleitura.blogspot.com

    ResponderExcluir

Expresse-se