Resenha #199 - Por Lugares Incríveis!




Ficha Técnica
Título: Por Lugares Incríveis
Autor: Jennifer Niven
Editora: Seguinte
Edição: 1
Ano: 2014
Idioma: Português
Especificações: Brochura | 336 páginas
ISBN: 978-85-6576-557-2
 Sinopse
Violet Markey tinha uma vida perfeita, mas todos os seus planos deixam de fazer sentido quando ela e a irmã sofrem um acidente de carro e apenas Violet sobrevive. Sentindo-se culpada pelo que aconteceu, Violet se afasta de todos e tenta descobrir como seguir em frente. Theodore Finch é o esquisito da escola, perseguido pelos valentões e obrigado a lidar com longos períodos de depressão, o pai violento e a apatia do resto da família. Enquanto Violet conta os dias para o fim das aulas, quando poderá ir embora da cidadezinha onde mora, Finch pesquisa diferentes métodos de suicídio e imagina se conseguiria levar algum deles adiante. Em uma dessas tentativas, ele vai parar no alto da torre da escola e, para sua surpresa, encontra Violet, também prestes a pular. Um ajuda o outro a sair dali, e essa dupla improvável se une para fazer um trabalho de geografia: visitar os lugares incríveis do estado onde moram. Nessas andanças, Finch encontra em Violet alguém com quem finalmente pode ser ele mesmo, e a garota para de contar os dias e passa a vivê-los.


**********************************************************************
AVALIAÇÃO PESSOAL
**********************************************************************



Sempre podemos fazer mais!
A obra de Niven carrega uma forte sensação de aproximação. Por Lugares Incríveis carrega o leitor pela inestimável e emotiva narrativa de jovens perdidos, tratando com irreverência e carinho, uma história que tinha tudo para ser inteiramente cruel. Sinta-se abraçado por esta obra, porque seu objetivo é este... Agarrar-nos... Dizer-nos que nada é fácil, mas também passageiro. Ora vai ser ruim, ora vai ser bom, assim como um barco sobre a maré.

Violet devia estar morta. Há alguns meses, enquanto retornava de uma festa, ela e sua irmã, Eleanor sofreram um acidente de carro. Apenas Violet sobreviveu. Desde então, a menina antes popular, agora se recolhe a sua família, tentando suprir dos pais a falta que sua irmã aparenta fazer, carregada pela culpa que preferiria ela mesma ter morrido. Vivendo em uma cidade pequena, sendo vista como a coitadinha, sua sobrevivência tem se tornado cada vez mais insuportável, de forma que ela não vê a hora de partir.

Finch sempre foi considerado a aberração, tanto pela família, em particular pelo pai, quanto pelos amigos e conhecidos. Desde então, interpreta um personagem diferente, tentando mudar sua rotina e transformá-la em algo mais suportável. Sendo assim, o garoto se transforma em um verdadeiro caos, cercado pelos valentões da escola, atormentado pelo pai violento e pela indiferença da mãe e das irmãs. 

"Estamos todos sozinhos, presos num corpo e na nossa própria cabeça, e qualquer companhia que temos na vida é passageira e superficial.

"Percebo agora que o que importa não é o que a gente leva, mas o que a gente deixa.

Enquanto Violet conta as horas para sair da cidade, Finch pesquisa diferentes maneiras de se suicidar, sem imaginar qual delas levar adiante. Em uma tentativa falha, o destino dos dois acaba se cruzando e algo novo começa a nascer, de forma que um tenta ajudar o outro a superar seus próprios dramas.

Jennifer Niven construí uma coleção de personagens que a gente ama e vai carregar eternamente conosco. A obra, narrada em primeira pessoa, dividida em três grandes momentos, tem seus capítulos intercalados pelos dois protagonistas, Violet e Finch, de forma que é impossível reclamar sobre ângulos ou visões. O leitor fica imerso no ponto de vista de ambos, podendo aderir muito mais detalhes. Pra mim, decididamente este foi o ponto mais ruim no começo da história. Violet não foi uma personagem que me encantou tanto quanto o esperado, e apesar de um drama forte, que lida com temáticas como a ligação familiar e a perda, a garota não me surpreendeu. Como já visto, ela era a típica garota popular, meio esnobe, que dava muito mais valor as aparências; em poucas palavras, fútil. E essa característica fica bem marcada logo nos primeiros capítulos narrado por ela, quando demonstra vergonha e submissão com a opinião dos outros, tornando Violet uma pessoa realmente chata. O livro só começa a ganhar suas cores quando Finch inicia sua narrativa, em grande número emotiva e engraçada. Suas tiradas irônicas e piadinhas foram o ápice da obra, e Por Lugares Incríveis não seria o mesmo sem ele, mesmo que ambos os protagonistas sejam excelentemente construídos. Na realidade, Niven não peca em momento algum no quesito personagem. Todos, desde os principais aos secundários estão estreitamente ligados à trama e situados com perfeição na mesma. Impossível é o leitor ler a obra e não se apegar a algum em determinado momento. Em especial, a ênfase vai para Finch, que não é só o centro de todo os eventos da obra, como também o melhor. 

A trama centra-se no tema suicídio, uma discussão densa e reflexiva, o que acarreta certo nível de seriedade ao enredo. Mas Jennifer fez um excelente trabalho e pelo decorrer da obra, percebemos o conhecimento que a autora tem sobre o assunto e de certa forma, a aproximação com o tema. O que encanta em nível diferencial, é que Niven consegue ser sucinta e engraçada, mesmo trabalhando com uma trama tão perigosamente cruel, se vista pela nossa sociedade e realidade. Além disso, a autora não economizou em veracidade. Apesar de grande parte ser bem divertida, temos momentos tensos, que fazem o leitor perder o fôlego. Se Por Lugares Incríveis fosse definido como um brinquedo de parque, com certeza seria uma montanha russa... Literalmente.


A edição então, ficou mais linda ainda. Editora Seguinte não poupou esforços. A capa, com a imagem ilustrando uma cidade formada por peças de bloco, já cativam o leitor na primeira olhada. Mas as cores também são bem atrativas, além do material meio felpudo que cobre a capa. Erros de revisão ou tradução? Passaram nem perto. Tudo foi impecavelmente preparado.



Jennifer Niven é autora de quatro romances para adultos - American Blonde, Be Coming Clementine, Velva Jean Learns to Fly e Velva Jean Learns to Drive -, três livros de não ficção - The Ice Master, Ada Blackjack e The Aqua Net Diaries - e um livro de memórias sobre suas experiências no ensino médio. Apesar de ter sido criada em Indiana, hoje vive com o noivo e três gatos em Los Angeles, seu lugar preferido para andanças.







Um comentário

  1. Super adorei sua resenha, e mesmo que seja um assunto até que bastante abordado já em livros, a autora pelo jeito conseguiu dar seu toque especial na obra. Mas me incomodou a parte da Violet. É tão previsível ela se aproximar dele só depois de a vida estar de cabeça pra baixo, como se as pessoas populares não tivessem coração e só resolvessem encarar a vida como realmente é após tragédias. Ok que algumas vezes é assim mesmo, mas já ficou tão batido que tira a graça, que você fica se perguntando "e se ela não tivesse perdido a irmã? qual seria o destino de Finch?"

    xx Carol
    http://caverna-literaria.blogspot.com.br/
    Tem resenha nova no blog de "Elevador 16", vem conferir!

    ResponderExcluir

Expresse-se