Resenha #215 - Quatro: Histórias da Série Divergente!




Ficha Técnica
Coleção: Divergente
Título: Quatro - Histórias da Série Divergente
Autor: Veronica Roth
Editora: Rocco
Edição: 1
Ano: 2014
Idioma: Português
Especificações: Brochura | 272 páginas
ISBN:978-85-7980-221-8
 Sinopse
Reunindo quatro histórias da série Divergente contadas da perspectiva do personagem Tobias Quatro, e três cenas exclusivas, a coletânea Quatro - Histórias da série Divergente oferece aos fãs da saga criada por Veronica Roth a chance de conhecer melhor a personalidade de um personagem fascinante e complexo, além de mergulhar mais fundo na sociedade dividida em facções criada pela autora.
Bestseller mundial com mais de 21 milhões de exemplares vendidos, a trilogia Divergente chegou aos cinemas com Shailene Woodley e Theo James nos papéis principais.




**********************************************************************
AVALIAÇÃO PESSOAL
**********************************************************************


Uma escolha vai libertá-lo

Veronica Roth resolve explorar os acontecimentos antes de Divergente, trazendo ao leitor todos os obstáculos e o passado conturbado que o personagem Tobias sofreu antes de seu encontro com Tris. Quatro é uma coletânea de contos da série, que abrirá novos horizontes para o leitor e o fará se aprofundar ainda mais em todo o drama pessoal de um personagem altamente intrigante.

Assim como sugere o nome, o livro trás quatro contos sobre eventos antes e durante o desenrolar de Divergente, primeiro volume da trilogia escrita por Roth. A edição continua bem elaborada, simples e de revisão impecável. A capa, bem chamativa, remete perfeitamente a um dos elementos mais importantes do personagem em si, e para quem leu a série ou o primeiro volume, entende bem qual o significado da roda gigante. E apesar de não ser das mais chamativa, a cor, azul marinho, dá um toque curioso a obra e instiga o leitor pelo menos a ter o livro em suas mãos. Na resenha, procurarei explorar cada conto separadamente.

Fora os contos, o livro ainda trás três cenas bem rápidas sobre a perceptiva de Quatro de momentos com Tris, interessantes, até certo ponto em que seus sentimentos também já se tornam previsíveis a quem se aventurou em Divergente.


A Transferência

Eu não estou em ordem, mas em constante caos.

De longe o melhor conto do livro. Aqui, conhecemos o Tobias Eaton, membro da Abnegação, jovem, inteligente e cheio de dúvidas, que sofre diariamente com o luto pela perda da mãe e pela violência empregada por seu pai, sempre tentando ser o mais perfeito possível. O personagem que enfrenta seus medos e seduz os leitores em Divergente, por sua bravura, se torna submisso e até medroso, frente ao seu maior temor: seu pai. Mas não é só isto que faz deste conto o melhor. Roth espetacularmente explorou o passado intrigante do personagem, e é impossível não se cativar pela vida de Tobias, ou torcer por sua felicidade. Além de muito simpático, o leitor acaba por se identificar com o protagonista, seja pelo bem ou pelo mal.



A Iniciação

Quero carregar algo que me lembre de que, embora as feridas cicatrizem, elas não somem para sempre. Eu as carrego para todo lugar a que vou, sempre...


O segundo melhor. Na realidade, este trouxe um série um tanto inescapável de detalhes que talvez tenham sido irrelevantes, mas sem deixar de transparecer alguns pontos importantes, que construíram ainda melhor a visão de Quatro.

Neste conto, conhecemos a chegada de Tobias a Audácia, e todas as barreiras que precisa superar para conseguir se sentir livre. Mas mesmo dentro da facção que foi sua escolha, ainda não se senti seguro. Está cada vez mais em dúvida sobre sua escolha e se realmente fez o certo. Em certo momento, visualizamos as engrenagens da guerra entre as facções se formar; especificamente, é aqui que Jeanine ganha sua primeira aparição, a onde Quatro finalmente é apresentado ao perigoso universo dos divergentes.

Apesar de uma leitura rápida e divertida (porque este é de longe o conto mais cômico), ainda foram longas páginas sem muitas descobertas ou fatos que o leitor não conhecia.




O Filho

Estou velho demais para ouvir coisas reconfortantes e sem sentindo. Velho demais para acreditar que tudo vai ficar bem.

A narrativa neste conto oscila demais, ora boa, ora ruim. Roth apresenta aqui algumas informações vagas e ao me ver desnecessária. Como o próprio título sugere, neste vemos Quatro retornar ao passado quando novas descobertas são feitas sobre a morte de sua mãe. Sob a pressão de estar prevendo uma possível aliança secreta entre a sua facção e a facção de Jeanine, Quatro ainda precisará enfrentar mais drama familiares, sendo que atualmente está cada vez mais empenhado em esquecer quem foi. 

Não pertencerei a ninguém a não ser a mim mesmo.

São pouquíssimas cenas que salvei do conto. Em suma, é só mais uma série de repetições, de forma que a leitura se torna previsível e meio maçante. O que faltou aqui foi filtrar aquilo que era realmente necessário, e não alongar mais. Embora Quatro seja um personagem muito bem construído, sua narrativa não é das melhores, e o fato de estar sempre se cobrando ou reclamando de si, torna tudo ainda pior.




O Traidor

Todo ser humano tem direito a ter seus segredos.

E o prêmio de pior conto vai para este. Além de totalmente desnecessário, os fatos que acontecem aqui, são meramente uma recontagem rápida de Divergente, sobre o ponto de vista de outro personagem. Roth associou cenas de suma importância do primeiro volume, acrescentando a elas a visão de Tobias, o que claro, não pode ser levado como algo inovador, levando-se em consideração que Tris, no primeiro livro, leu basicamente tudo o que ele disse no conto, só lhe observando. Em especial, talvez o ato final do conto deva ser levado como ponto de importância, já que é a única cena fora das cortinas da trilogia, mas em geral, perde valor pela decepcionante repetição, tornando a leitura chata e cansativa.




Veronica Roth (Cidade de Nova Iorque, Estados Unidos, 19 de agosto de 1988) é uma escritora norte-americana. É conhecida mundialmente por seus livros da aclamada saga Divergente. Os direitos cinematográficos da saga Divergente foram vendidos em abril de 2012, e a adaptação chegou aos cinemas em 21 de março de 2014. Veronica é casada com o fotógrafo artístico Nelson Fitch. Desde 2012 Veronica vive na cidade de Chicago.
A saga Divergente conquistou vários prémios, foi publicada em 20 países e vendeu mais de 26 milhões de exemplares mundialmente.




Um comentário

  1. Que livro interessante, já tinha visto a resenha dele em outro blog, mas a sua superou *~*

    http://its-sucker.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Expresse-se