07 agosto 2015

Resenha #13 - Catalisador (Trilogia Insígnia Vol 3)!






Título: Catalisador
Coleção: Insígnia
Autor: S.J Kincaid
Editora: V&R Editoras
Ano: 2015
Especificações: Brochura |458 páginas
ISBN: 9788576838067
 Sinopse
Tom Raines e seus amigos estão ansiosos para voltar ao Pentagonal Spire e continuar seu treinamento nas Forças Intrassolares. Ainda que este seja um momento em que as coisas não pareçam estar tão bem, Tom não se intimida e persiste em lutar.
O que começa como um ajuste de contas intrigante entre Tom e seu pai logo se transforma em uma mudança perigosa, pois há agentes suspeitos em posições de poder, bem como revelações sobre um novo controle militar. Isso significa, talvez, que Tom tenha que manter segredos inclusive de seus aliados.
Em seguida, uma figura misteriosa, outro fantasma na máquina, inicia uma luta contra as corporações, mas os métodos adotados por Tom para combatê-lo são chocantes.
Neste terceiro volume, vemos Tom e seus amigos, os cadetes, diante de um futuro impossível, o qual eles nunca poderiam prever. Em “Catalisador”, S.J. Kincaid nos presenteia com um final eletrizante, concluindo uma jornada heróica e fantástica de tirar o fôlego.
Cortesia V&R Editoras


**********************************************************************
AVALIAÇÃO PESSOAL
**********************************************************************


Pensar nas coisas que você não pode mudar ou consertar é estúpido e sem sentido.

Catalisador dá fim a mais uma perfeita trilogia pela qual seria impossível eu não me apaixonar. S.J. Kincaid deu o desfecho merecido a todos os seus personagens, sem clichês, mas aderindo a velha e dolorosa realidade, não poupando esforços em mostrar amadurecimento, excelente composição em sua trama e um romance mais do que apaixonante. A trilogia Insignia é sem dúvida uma pedida imperdível para os amantes do gênero distópico e ficcional científico, garantindo um fim eletrizante e mais do que surpreendente.

Tom passou por muita coisa nos últimos dois anos. Após a implantação do seu processador neural nada mais foi a mesma coisa e os obstáculos têm se tornado cada vez mais perturbadores e complicados. O cerco está se fechando para ele. Depois de algum tempo longe dos amigos, Tom está mais do que pronto para retornar para seu antigo lar, mas um acontecimento inesperado, junto com uma revelação bombástica para seu pai, pode mudar tudo totalmente. O envolvimento do governo não facilita as coisas, e essas não são suas únicas ameaças. O tirano CEO de uma das multinacionais mais fortes do planeta está tenebrosamente arquitetando um diabólico plano para pegar Tom, e seus preciosos dons de interagir com as maquinas estão novamente em perigo. A guerra que até o momento pareceu mera brincadeira torna-se uma perigosa empreitada, onde o preço, pode ser tudo que Tom tanto lutou para proteger.

Quando eu era mais novo, teria pulado de alegria com a chance de fazer história e ser o primeiro a deixar o sistema solar. Eu queria ser alguém. Ser importante. Mas isso nunca foi realmente o que eu quis. Acho que, na minha cabeça, essa era a coisa que eu tinha que fazer para conquistar um lugar no mundo. Digo, eu não tinha nada quando criança e não pertencia a lugar algum. Se eu fizesse algo espetacular, alguma coisa que ninguém pudesse ignorar, isso mudaria tudo, e eu finalmente pertenceria a algum lugar. Durante todo o tempo, o que eu estava realmente procurando era isto. [...] Pessoas que pertencem a mim. Pessoas às quais eu pertenço. Uma chance de me encaixar em algum lugar, de ser parte de algo em vez de ser exilado.

Catalisador foi o mais do que um fim, foi tudo que eu esperava e sem dúvidas um pouco mais. Kincaid acabou literalmente com meu coração em diversos momentos da narrativa, não só de aflição, mas através de suas esplêndidas tiradas satíricas para criticar o governo corrupto e a própria corrupção pessoal do ser humano. Seu livro, assim como os anteriores, não difere da visão crítica e intrínseca sobre fatos visíveis na nossa cidade, onde a autora não poupa esforços para ferroar. Mas é a característica humana de seus personagens (já falado nas resenhas dos volumes anteriores, que novamente volto a frisar) que tornam a trilogia Insígnia algo inestimável.


Narrado em terceira pessoa, o livro leva o leitor através de toda a sua trama sobre o ponto de vista de Tom, nosso protagonista e um dos bons, sem dúvida. Desde os volumes antecessores, Tom já tinha demonstrado sua bravura e coragem, determinação e jeito maluco e impulsivo de agir; aquele personagem que teve um passado tenso, complexo, entretanto, que jamais se faz de coitado. Vemos neste último volume o amadurecimento do mesmo. Tom largou os clichês adolescente e finalmente começou a enxergar que o mundo a sua volta é bem mais perigoso e malicioso do que ele imaginava. Catalisador sem dúvidas narrou com perfeição esta transição. Tom largou o velho jeito de moleque para se tornar um homem de decisões, e mesmo assim não perdeu seu senso de humor ou força de querer viver. E esta são as características que marcam com mais ferocidade sua humanidade e veracidade para o leitor, tornando-o impossível de não se identificar. Mas não se deixe enganar. Tom não é nem o pico da pirâmide dos personagens excelentes que Kincaid tem. Wyatt, Vik, Medusa, Blackburn e até mesmo o vilão, Joseph, são sem dúvidas distintos, capazes mais que suficiente de desempenharem papéis importantes e individuais na trama que pareceu, ao meu ver, indispensáveis. Blackburn em particular o mais atrativo. Neste último volume ele provou ainda mais seu valor, e como Snape em Harry Potter, o personagem tinha muito mais a esconder e a crescer do que aparentemente demonstrava. Sagaz, frio e sofrido, o típico personagem por quem você realmente vai ter um misto de emoções, desde ódio mortal à amor incondicional. Blackburn se transformou no personagem mais complexo que a autora já criou, e provavelmente vai se transformar no mais querido pelos leitores.

E ele passaria mil anos sozinho no espalho e morreria mil mortes infelizes, miseráveis antes de sequer pensar em desistir dela.

Catalisador foi entrelace final sem dúvidas. Além de revivermos eventos marcantes dos livros anteriores, brechas que tinham ficado abertas foram finalmente fechadas. Kincaid não vacilou neste quesito. Sua trama está intrinsecamente interligada do começo ao fim, tendo um desfecho digno e sem buracos. A emoção corrompe o leitor de acordo com que os capítulos finais vão se aproximando, e embora em alguns momento a narrativa venha a parecer mais longa que o necessário, ao fim, fica a conclusão de que tudo que foi contado, era realmente indispensável. Kincaid não poupou esforços em mostrar, como dito, a transição de seu protagonista, e isto envolve o seu sofrimento, tanto físico quanto psicológico. O conhecimento técnico da autora também é surpreendente, juntamente com o social. Ela descreve as pirâmides sociais com tanta grandeza e verdade, de forma que o leitor também se senti revoltado, largado no meio da possível revolução.

A edição, novamente, inacreditável. Em um verde limão ultra destacado, a capa ganhou meu coração. A trilogia é uma das mais coloridas e lindas que possuo agora na minha estante (deixa só eu babar ela um pouco mais). Além disso, folhas amarelas e uma revisão impecável, garantem a V&R Editoras aquele gostinho de “PARABÉNS, VOCÊS ARRASARAM!”. 



O que eu tenho a dizer, ao fim, é: LEIA, assim que puder, mais está trilogia inacreditável, marcante e com personagens inesquecíveis. Desde A Arma Secreta(primeiro volume) ao seu desfecho em CatalisadorKincaid não decepcionou-me em momento algum, mas pelo contrário, me surpreendeu, seduziu e cativou, com uma escrita única, inteligente e envolvente. 





Nasceu no Alabama, cresceu na California, mas foi vivendo do lado de um cemitério mau assombrado na Escócia que descobriu que queria ser escritora. Seu livro de estreia foi sucesso internacional recebendo diversos prêmios e honrarias.








Um comentário:

  1. Que booom que a trilogia fechou com chave de ouro! E essa editora faz um trabalho impecável mesmo <33 adorei a resenha, mas o que mais gostei mesmo foi no controle de xbox, o meu tá mofando coitado hahaha

    xx Carol
    http://caverna-literaria.blogspot.com.br
    Tem resenha nova de "Caixa de Pássaros" no blog, vem conferir!

    ResponderExcluir

Expresse-se