16 janeiro 2016

Resenha #28 - Tudo Pode Acontecer





Título: Tudo Pode Acontecer
Autor: Will Walton
Editora: V&R Editoras
Ano: 2015
Especificações: Brochura 248 páginas
ISBN 9788576839316
 Sinopse
Tretch Farm vive em uma cidadezinha no interior dos Estados Unidos onde todo mundo sabe da vida de todo mundo. O que torna ainda mais difícil o fato de ele estar apaixonado por Matt, seu melhor amigo. Matt não desconfia de absolutamente nada e Tretch não sabe se isso é bom ou ruim... Para ele o problema não é apenas com Matt. Sua família não tem ideia de quem ele realmente é e o que ele realmente pensa no auge dos seus quinze anos. sua mãe acredita que o filho está prestes a sair com uma garota. E Bobby Handel, que sempre insinua que Tretch é gay na escola, mal sabe que está bem perto da verdade. Aos poucos essa história revela que viver uma mentira pode não ser a melhor escolha para alguém que busca a felicidade.
Cortesia V&R Editoras



**********************************************************************
AVALIAÇÃO PESSOAL
**********************************************************************



"Quando você se apaixona pela pessoa errada pelas razões certas, tudo pode acontecer."

O que fazer quando você se apaixona pelo seu melhor amigo? E como contar pra ele que você é gay e além disso confessar o que sente por ele? É com essa idéia que Will Walton trabalha em seu livro de estréia, Tudo Pode Acontecer. E nesse sentindo, preciso confessar que foi surpreendente descobrir que esse é o primeiro livro de Walton. A forma como ele constrói e desenrola a história o faz parecer tão experiente no que faz, tão verdadeiro. Os sentimentos de seus personagens são trazidos das páginas para a nossa realidade, tornando tudo mais intenso.

"Ele me ama, e ele só conhece metade de mim, a metade que eu mostro para ele. O mesmo vale para minha mãe, meu pai, minha avó e meu avô... Durante todo esse tempo, tenho imaginado meu segredo como algo que mantenho para protegê-los, para fazer com que seja mais fácil para os outros me amarem. Em vez disso, porém, só tenho roubado... roubado deles a chance de me amar por inteiro."

Walton nos apresenta Tretch, um rapaz que ainda está se descobrindo e se aceitando como gay e que se pega apaixonado pelo seu melhor amigo hetero Matt. Com o decorrer da história Tretch nos ensina uma lição que sabemos muito bem, porém, quando estamos apaixonados não lembramos disso. Essa lição, é o velho clichê: o amor é além de tudo, um ato altruísta. Você tem que ser capaz ver a felicidade da outra pessoa independente de essa felicidade te envolver ou não.

"Uma estreia admirável sobre a trajetória totalmente imprevisível e irremediável de estar apaixonado e reconhecer o seu lugar no mundo." Eu não poderia concordar mais com o que David Levithan (autor prestigiado publicado no Brasil pela Editora Galera Record, e famoso pela suas obras que tratam de relacionamento homo afetivos) diz na contracapa. Foi a mesma sensação que tive lendo essa história, tratando de um menino que está experienciando o primeiro amor enquanto está criando coragem para contar à família sobre sua sexualidade.

A escolha de Walton para o título também não poderia ser mais perfeita. Ele descreve muito bem a vida de Tretch, como também direciona o leitor a ligação presente com a uma música e que marca um dos grandes acontecimentos da vida do personagem, sendo está canção, Anything Could Happen da Ellie Goulding (recomendo que ouça enquanto lê, fiz isso é foi uma ótima experiência).

Falando dos aspectos físicos do livro, ele possui uma capa branca com metade do rosto do Tretch com fones de ouvido e com a primeira citação desse post fazendo referência ao título do livro. A contracapa é azul com alguns pequenos detalhes e as capas internas são laranjas com essas mesmos detalhes, sendo considerada, por um, um acabamento mais que diferencial e atrativo. O livro tem uma estrutura bonita, mensagens cativantes e tonalidade leves, assim como sua leitura, tocante e ao mesmo tempo, capaz de causar uma inquietação boa, suave. A obra que se mostra despretensiosa tem uma pega interessante, trazendo uma temática de descobrindo de si mesmo, viciando e apaixonante quem se aventurar por usas páginas. E assim como nas obras de Levithan, me vi apaixonado pela escrita de Walton, singela e sincera.



Vive em Atenas, trabalhando como escrito, e tendo publicado seu primeiro romance pela Editora Scholastic. Ama café, coisas nerds, comprar e é um usuário muito freqüente de emojis.



2 comentários:

  1. Oi, Anderson!
    Eu vejo muitas resenhas positivas sobre esse livro.
    Vou dar uma chance porque boa parte dos livros que li com esse tema me decepcionaram.
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderExcluir
  2. Oi Anderson, tudo bem?
    O que posso falar sobre esse livro é que esperava muito mais sobre ele, a história não me convenceu e achei o livro bem parado.

    Italo Teixeira - Eu li, e você?

    ResponderExcluir

Expresse-se