Resenha #306 - O Mar Infinito (A Quinta Onda Vol 2)!








Título: O Mar Infinito
ColeçãoA 5º Onda
AutorRick Yancey
Editora: Fundamento
Ano2015
Especificações: Brochura | 248 páginas
ISBN9788539509379
 Sinopse
COMO LIVRAR A TERRA DE 7 BILHÕES DE HUMANOS? TIRE A HUMANIDADE DELES.
Cassie Sullivan e seus amigos sobreviveram às quatro ondas de destruição provocadas pelos Outros. Agora, com a raça humana quase exterminada e a 5ª Onda encobrindo a Terra, os sobreviventes devem escolher: encarar o inverno e esperar o retorno de Evan Walker ou partir à procura de abrigo antes que o inimigo os alcance. Porque o próximo ataque é mais do que possível – ele é inevitável.
Os homens ainda não viram as profundezas até onde os Outros podem descer nem os Outros viram a que alturas a humanidade pode se erguer. Esta é a derradeira batalha entre vida e morte, esperança e desespero, amor e ódio.


**********************************************************************
AVALIAÇÃO PESSOAL
**********************************************************************
 


COMO LIVRAR A TERRA DE 7 BILHÕES DE HUMANOS? TIRE A HUMANIDADE DELES.

Em uma continuação empolgante, Mar Infinito é tudo aquilo que A Quinta Onda deixou a desejar. Com uma dose anormal de crua realidade, puxando o leitor a questionar o próprio enredo, formulando teorias, para depois desconstruí-las, a obra de Yancey me ganhou completamente, e o que tinha faltado no primeiro volume, me arrebatou neste segundo.

Sobreviver as quatro primeiras ondas não foi uma tarefa fácil. Cassie Sullivan enfrentou a morte e o fogo, e olhou claramente nos olhos do vazio. Mas nada poderia prepará-la para a mais mortal e tenebrosa das ondas: a 5º. Agora, tentando sobreviver em um ambiente hostil onde todos podem ser seus inimigos, ela caminha solitária novamente, esperando que Evan cumpra sua promessa e retorne para ela. Mas teria ele sobrevivido depois de tudo que aconteceu durante a fuga do abrigo do inimigo? Entre inimigos e incertezas, a resposta para todos os enigmas pode ser mais apavorante do que eles poderiam imaginar.

A inteligência de Rick Yancey chega a ser assustadora. Minhas expectativas para o segundo volume da trilogia não era das melhores, já que mesmo tendo gostado do primeiro livro, encontrei muito clichê romântico por parte da protagonista, o que me chateou em diversos momentos da narrativa. Só posso dizer que fui pego de surpresa quando minha personagem favorita começou narrando a obra. Dividido em dois grandes momentos, tendo sete subcategorias, Mar Infinito segue a mesma ideia de seu anterior, centralizando a narrativa sobre a perspectiva de primeira pessoa, alterando-se de personagem de acordo com a parte em que o leitor começa a ler. Deste modo, temos Cassie, Esp, Pão de Ló e Evans brigando pela visão da obra e expandindo ainda mais o universo criado pelo autor. Sua genialidade não para ai, mas estende-se ainda mais quando todos esses pontos de vistas são convergidos em um final chocante para o leitor.

Sou maior do que a soma dos meus medos.

Como dito acima, já expressei o quanto o segundo livro me agradou, não só pelo fato do autor ter se aprofundado ainda mais nos personagens secundários, que não tem grande destaque no primeiro, quanto pelos fatos que acontecem durante o desenvolver da trama. São momentos e mais momentos de pura adrenalina e asfixia, onde o leitor não consegue de maneira alguma largar o livro um só instante. Yancey deu um amadurecimento grandioso aos seus personagens, e não só tivemos uma justificativa mais que plausível para o envolvimento de Cassie com Evans no primeiro livro, como também acompanhamos o passado de Esp e Pão de Ló, que acreditem, são surpreendentes. Mar Infinito tem a mesma tendência ocorrida em A Quinta Onda, onde os secundários tomam local dos protagonista e tornam a leitura ainda mais instigantes. Yancey não só conquista pelo seu cenário devastado ou personagens destruídos, como também pela inteligencia de saber movê-los dentro deste verdadeiro tabuleiro que originou.

Outro ponto extremamente positivo foi o autor trazer também um pouco da transição do personagem Sam, que passa realmente por muita coisa no primeiro livro. Neste segundo, vemos as primeiras "cicatrizes" de Samms se mostrando, sua personalidade antes inocente e pacifico, assumindo um lado mais sombrio, inflexível. O menino que conhecemos apegado a irmã, larga os ursos de pelúcia e apega-se a uma arma. Devo esclarecer que este fato em especial me chocou, não pelo fato em si, mas pela maneira realística e vívida que o autor faz os leitores presenciar, não colocando esta mudança sobre a visão de Sam, e sim na perspectiva de outros personagens, tornando tudo ainda mais chocante.

Mas há coisas que dizemos a nós mesmo sobre a verdade, e há coisas que a verdade diz sobre nós.

Mar Infinito, ao meu ver, superou totalmente seu antecessor, não só pela escolha de personagens narradores, como também na maneira em que a trama se desenvolve, sem deixar o nível de expectativa cair um só instante. Recheado de críticas fervorosas ao próprio ser humano, e uma reviravolta mais que devastadora, Yancey garante divertimento, bom desenvolvimento e um entrosamento mais que instigante com seus personagens.


Rick Yancey é autor de dois livros para adultos: um romance e umas memórias. É também um experiente argumentista e foi, durante anos, crítico de teatro. As Extraordinárias Aventuras de Alfred Kropp é o seu primeiro livro para jovens, nascido do seu desejo de conjugar a sua paixão por espadas com o seu fascínio pela lenda de Excalibur – a mítica espada do rei Artur.
Vive em Knoxville (Tennessee, EUA), com a mulher e três filhos. Grande parte da história de Alfred Kropp foi escrita durante os treinos de futebol e karate dos filhos.






2 comentários

  1. Oi, David!
    Eu tive de pular sua resenha porque ainda não vi o filme e nem li o livro. Mas tenho certeza que estar ótima, como sempre!
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderExcluir
  2. Eu estou em uma enorme expectativa para ler o primeiro ainda, mas tenho certeza que vou amar o primeiro, e irei ler essa continuação, que parece ser tão boa quanto o primeiro parece ser!

    Um super beijo!

    Lendo Distopias

    ResponderExcluir

Expresse-se