Resenha #62 - Holy Cow!






Título: Holy Cow - Um Fábula Animal
AutorDavid Duchovny
Editora: Record
Ano2016
Especificações: Brochura | 208 páginas
ISBN9788501106889
 Sinopse
Uma aventura irreverente e itinerante com muita personalidade, e uma heroína quadrúpede que você não vai esquecer tão cedo.
Elsie Bovary é uma vaca muito feliz em sua bovinidade. Até o dia que resolve sair sorrateiramente do pasto e se vê atraída pela casa da fazenda. Através da janela, observa a família do fazendeiro reunida em volta de um Deus Caixa luminoso – e o que o Deus Caixa revela sobre algo chamado “fazenda industrial” deixa Elsie e tudo o que ela sabia sobre seu mundo de pernas para o ar. A única saída? Fugir para um mundo melhor e mais seguro. Assim, um grupo para lá de heterogêneo é formado: Elsie; Shalom, um porco rabugento que acaba de se converter ao judaísmo; e Tom, um peru tranquilão que não sabe voar, mas que com o bico consegue usar um iPhone como ninguém. Munidos de passaportes falsos e disfarçados de seres humanos, eles fogem da fazenda e é aí que a aventura deles alça voo – literalmente. 
Elsie é uma narradora marrenta e espirituosa; Tom dá conselhos psiquiátricos com um sotaque alemão um tanto forçado; e Shalom, sem querer, acaba unindo israelenses e palestinos. As criaturas carismáticas de David Duchovny indicam o caminho para um entendimento e uma aceitação mútuos dos quais esse planeta tanto precisa.
Cortesia Editora Record (Grupo Editorial Record)

**********************************************************************
AVALIAÇÃO PESSOAL
**********************************************************************




Divertida, simpática e muito carismática. Sim! Não estou falando do livro. Estou falando da Elsie Bovary, a vaca mais legal do mundo, que me fez repensar quando chamo alguma pessoa de vaca (pois ser vaca é MUITO LEGAL). No entanto, sobre Holy Cow: Uma Fábula Animal preciso dizer que o livro é crítico, hilário e muito reflexivo (caso o livro não mude seu comportamento após a leitura, ele vai fazer você pensar sobre o quão suas ações podem ser prejudiciais ao meio ambiente). 

Escrito pelo ator e roteirista David Duchovny, muito conhecido pelo papel de Fox Mulder no seriado Arquivo XHoly Cow conta a história da Elsie, uma vaquinha muito hilária que vive em sua fazenda sendo... sendo uma vaca. Entretanto, determinado dia ela acaba descobrindo com a ajuda do Deus-caixa o que ocorre com suas semelhantes em determinado momento de suas vidas dentro das fazendas. Horrorizada, ela decide ir para um lugar onde ela pode está segura da perversidade humana, no caso, a Índia (para quem não sabe, na Índia as vacas são endeusadas pelos habitantes). No entanto, ela não vai sozinha nessa empreitada e acaba conseguindo como cúmplices de sua fuga um porco judeu (Jerry, que passa a se chamar de Shalom) e um peru turco (o Tom). 

De principio, não achei a capa muito atraente, porém, considerei a leitura do livro bastante interessante em diversos aspectos de sua construção. A narrativa é em primeira pessoa, no caso, narrado por Elsei, ajudando muito na construção da personagem, pois parece mais um diálogo da vaquinha com o leitor, do que uma história batida de animais vivendo aventuras inverossímeis. O enredo é bastante leve, pois tem múltiplas tiradas cômica, como o fato da Elsie querer que a Jennifer Lawrence faça ela no cinema (super concordo com a indicação!), o que facilita a leitura e torna tudo mais fluído em muitos aspectos.


No entanto, teve alguns pontos que para mim deixaram a desejar. A personagem principal é maravilhosamente carismática, entretanto, os coadjuvantes (o Tom e o Shalom) não me eram tão atraentes, pois pareciam um apelo cômico desnecessário a história (considero a Elsie engraçada o bastante para segurar a história inteira). Com esses coadjuvantes, não só ficava aquela comédia forçada, como em muitos momentos, do meio para o final para ser mais exato, a Elsie ficou apagada na história. No entanto, com exceção desse detalhe, considerei a organização dos acontecimentos bastante interessantes para a concretização de sua missão.

Sim! O livro tinha uma missão. 

Na tentativa de trazer uma reflexão sobre o fato dos humanos se alimentarem de animais de forma insustentável, Duchovny cria alguns acontecimentos na obra que faz com que o leitor reflita sobre o quão “humano” somos. Elsie é bem enfática numa parte do livro, quando diz que os humanos precisam lutar muito para recuperar o status para voltar a ser chamado de animal, pois nós não somos dignos de sermos chamados assim. Duchovny, aparentemente, não quer que os seres humanos se tornem vegetarianos após a sua leitura (se quer, eu não entendi dessa forma), porém, ele quer que os leitores reflitam sobre a comida que extraem da natureza sem pensar em consequências. Não vou negar que recentemente me peguei largando um pastel de frango por está me sentindo um pouco ressentido pelo tratamento que deram ao animal que estava ali (Sim! Eu pesquisei e fiquei muito triste com o que vi). No entanto, posso afirmar com toda certeza que o livro não fala só disso, fala do comportamento da humanidade com a natureza e com os seus semelhantes. 

Por fim, a obra de Duchovny foi uma boa leitura para tardes despreocupadas, quando você quer rir do mundo e de coisas idiotas. Com isso, darei quatro estrelas para o livro, pois acredito que todo mundo deveria refletir sobre essa realidade que nos cerca, antes de julgar as pessoas vegetarianas, ou criar juízos de valor sobre elas e este livro é uma ótima introdução a esse universo.

Imagem retirada do blog Viagens de Papel

PS: ELSIE! ESTOU TORCENDO PARA QUE O LIVRO VIRE FILME, VIU! E ESTOU LOUCO QUE JENN ACEITE O PAPEL, POIS ELA SUPER COMBINA COM A SUA BELEZA DE VACA, SUA FOFA!



David William Duchovny, (Nova Iorque, 7 de agosto de 1960) é um premiado ator norte-americano, famoso pelo seu papel na série de TV Arquivo X, no qual interpretava o agente especial do FBI Fox Mulder e Hank Moody em Californication.







Um comentário

  1. Olá, eu já li esse livro e gostei bastante dele, foi bem divertido. Concordo que mais pro final a história deu uma esfriada.
    Te indiquei para uma tag literária, se ainda não tiver respondido e quiser responder: http://petalasdeliberdade.blogspot.com.br/2016/07/tag-pokemon.html :) .

    ResponderExcluir

Expresse-se