29 julho 2016

Resenha #68 - Proibido!





Título: Proibido
Autor: Tabitha Suzuma
Editora: Valentina
Ano: 2014
Especificações: Brochura | 304 páginas
ISBN: 9788565859363
 Sinopse
Ela é doce, sensível e extremamente sofrida: tem dezesseis anos, mas a maturidade de uma mulher marcada pelas provações e privações da pobreza, o pulso forte e a têmpera de quem cria os irmãos menores como filhos há anos, e só uma pessoa conhece a mágoa e a abnegação que se escondem por trás de seus tristes olhos azuis.
Ele é brilhante, generoso e altamente responsável: tem dezessete anos, mas a fibra e o senso de dever de um pai de família, lutando contra tudo e contra todos para mantê-la unida, e só uma pessoa conhece a grandeza e a força de caráter que se escondem por trás daqueles intensos olhos verdes.
Eles são irmão e irmã.
Com extrema sutileza psicológica e sensibilidade poética, cenas de inesquecível beleza visual e diálogos de porte dramatúrgico, Suzuma tece uma tapeçaria visceralmente humana, fazendo pouco a pouco aflorar dos fios simples do quotidiano um assombroso mito eterno em toda a sua riqueza, mistério e profundidade.
Cortesia Editora Valentina // Site e Facebook da Editora




**********************************************************************
AVALIAÇÃO PESSOAL
**********************************************************************
 

Você pode fechar os olhos para as coisas que não quer ver, mas não pode fechar o coração para as coisas que não quer sentir.”. (Autor Anônimo)



Recentemente, eu me graduei em Letras (tenho que fazer propaganda para tentar conseguir emprego rs) e quando comecei a fazer essa resenha, lembrei de uma aula de Literatura Portuguesa Contemporânea (Vanessa! Você mora no meu coração! <3). Nessa aula, comentei para a minha professora que o livro do meu seminário era uma leitura difícil de ser feita, por ser complicado de se compreender a finalidade estética dele. Então, ela disse a seguinte coisa em resposta as minhas palavras imaturas: “No entanto, Glauber! Somos críticos literários... Então, se nós não lermos os livros complicados e difíceis, quem irá lê-los?”. Essas palavras me levaram até "Proibido" da Tabitha Suzuma, pois é um livro muito “delicado” para a sociedade atual, consequentemente, como crítico literário, eu precisava lê-lo.

Lançado no Brasil pela Editora Valentina, cerca de dois anos atrás, o livro "Proibido" demorou um pouco para chegar ao mercado brasileiro, já que sua sua primeira edição data do ano de 2010. Talvez, sua temática principal fez com que as editoras brasileiras demorassem a ter interesse pela obra, pois, trata-se de algo bastante transgressor para se publicar em um país em que a maioria das religiões possui como base o cristianismo (não pretendo discutir religião aqui, só estou constatando um fato). No entanto, a delicadeza com que a obra é construída e os detalhes desenhados por Suzuma são tão incríveis, que se o leitor se permitir levar pela leitura, ele pode entrar em um dilema moral/ético muito interessante. 

"Proibido" conta a história de Maya e Lochan, um belo e jovem casal que vive uma vida bastante incomum, pois ambos precisam assumir os papéis de “pai” e “mãe” de suas respectivas famílias por motivos muito semelhantes. Lochan é inteligente e esforçado, porém, muito recluso do ponto de vista social, pois as responsabilidades com os seus irmãos o suga de uma forma incomum. Já Maya é doce e simpática, sempre demonstrando o seu jeito maternal de cuidar dos outros e, principalmente, dos seus irmãos mais novos, pois sua mãe abdica dessa responsabilidade. Lochan e Maya parecem perfeitos um para o outro, talvez juntar as dores seja o caminho mais feliz para se conseguir sobreviver a esses problemas. Entretanto, se as dores de ambos for a mesma? Sim! E se eles fossem da mesma família? Na verdade, e se eles fossem irmãos? O que você pensaria desse casal? 

A ideia inicial do enredo é inquietante, pois estamos saindo da zona de conforto de nossa sociedade para tentar compreender um comportamento “incomum” (coloquei as aspas, pois não quero ferir nenhum leitor que tenha lido e torça para que os dois terminem juntos e felizes) entre as pessoas atualmente. Incesto (Sim! Essa é a temática do livro. E não! Isso não é um spoiler.) parece algo tão errado, quando falamos no cenário dos dias atuais, que podemos chegar a rejeitar a trama de forma imediata. Entretanto, como leitor, peço que se permitam ler algo fora da sua zona de conforto, pois a construção da narrativa de Suzuma pode nos levar a refletir sobre diversos outros atores da sociedade que são hostilizados por amar. Como eu vi em uma entrevista dela para um jornal brasileiro, ela não pretende defender a prática incestuosa em meio a sua obra, mas sim, ela pretende passar para o leitor as sensações de como é viver um romance proibido (e eu posso afirmar que ela consegue).

O romance é narrado em primeira pessoa, porém, possuem dois narradores, Maya e Lochan, que se revezam em meio aos 26 capítulos (e um epílogo) durante toda a obra. A escrita de Suzuma para cada um dos narradores possui uma peculiaridade narrativa, pois, como leitor, consegui sentir, tanto a tensão de Lochan em suas crises de ansiedade social, quanto a preocupação materna de Maya com os seus irmãos. Além disso, a autora é muito detalhista, conseguindo trazer para o leitor os mínimos detalhes do cenário e dos acontecimentos da obra. 

Na constituição de personagens e do enredo, Suzuma faz questão de criar o cenário perfeito para fazer o leitor se apegar ao casal principal e temer julgá-los, pois, na verdade, você passa a perceber que eles são mais vítimas, do que culpados desse romance proibido. A figura do pai ausente (ou inexistente), que abandonou os filhos depois do término do relacionamento para viver com sua nova esposa em outro país, e a mãe irresponsável, que sempre repete em voz alta o seu desejo de nunca querer ter tido tantos filhos, justifica muito do comportamento do casal de irmãos, pois se veem forçados a assumir esse papel para os irmãos mais novos, graças à ausência desses pais. Além dos pais ausentes, temos os irmãos menores, que se tornam responsabilidades de Maya e Lochan, pois a mãe não se importa minimamente em ajudar na criação, ou até mesmo dá atenção aos filhos menores (a mais nova possui quatro anos de idade). Tudo isso coopera para um “casamento” entre Maya e Lochan, pois ambos precisam cuidar e educar três irmãos menores, além de conseguir dá conta dos estudos.

Todos os personagens são muito bem elaborados em suas minúcias psicológicas (desde o irmão do meio rebelde, até a melhor amiga de Maya, que possui uma paixão nada secreta por Lochan). No entanto, existe uma personagem coadjuvante da obra, que me causou uma identificação imensa por diversos fatores, principalmente, pelo fato de ser professora. A senhorita Azley, a professora de literatura da turma de Lochan, representou a figura do professor do século XXI de uma forma tão ímpar, pois em toda a minha graduação escutei que professor ensina, porém, ele também educa. A senhorita Azley, mesmo sendo uma professora jovem em meio a um corpo docente de professores velhos, coloca a sua maneira peculiar de ensinar em ação e faz algo que muitos professores não fazem com os seus alunos, que é conversar. Os diálogos dela com Lochan, em que ela não fecha os olhos para o problema de ansiedade social do rapaz e se propõe a ajudá-lo, fez com que eu ficasse muito contente com a retratação de Suzuma da figura do professor (já que em todo o livro, a senhorita Azley é a única adulta a ajudar o Lochan em algum momento). 


Com exceção dos aspectos narrativos da obra, outro elogio necessário é o tratamento (e respeito) que a Valentina teve com a edição do livro, pois a obra ficou belíssima em diversos aspectos, porém, um que vou exaltar é a capa. Diferentemente da capa original, foi escolhida uma imagem muito relacionada com a temática da obra e muito cheia de significados, que me perdoem os demais, entretanto, eu achei que ficou muito melhor que a capa original. Parabenizo a Valentina pela iniciativa de lançar esse livro aqui no Brasil e pelo tratamento que deram a edição, que ficou muito bonita e organizada em todos os detalhes.



Sobre minha avaliação da obra, não consigo pensar em outra avaliação que não seja cinco estrelas, pois foi algo que me surpreendeu pelas sensações que o livro me despertou. Suzuma é exata em sua escrita e na construção desse romance tão complicado para as pessoas da sociedade atual, pois ela torna um romance entre um homem e uma mulher tão repugnante, quanto os demais romances da atualidade rejeitados pelos pensamentos conservadores (se é que vocês me entendem). Lidar com Maya e Lochan nas últimas semanas foi algo devastador e completamente construtivo para mim como indivíduo, pois, como diz na capa do livro, “como uma coisa tão errada pode parecer tão certa?”. Refletir sobre isso fez com que meu pensamento amadurecesse em diversos aspectos (sobre várias questões) e fez com que eu compreendesse o pensamento dos “juízes” sociais de nossas ações. 

Sinto-me na obrigação de indicar esse livro para vocês!



Tabitha Sayo Victoria Anne Suzuma nasceu em Londres, filha de mãe inglesa e pai japonês, a mais velha de cinco filhos. Ela frequentou o liceu francês, mas saiu da escola aos catorze anos. Dez anos depois, ela se tornou professora e escreveu seu primeiro livro, A Note of Madness. Ela ainda escreveu mais três obras para o público jovem adulto: From Where I Stand, A Voice in the Distance e Without Looking Back. Seu trabalho mais famoso, Forbidden, conta a história de um romance incestuoso entre um irmão e uma irmã. Sua obra mais recente é Hurt, livro lançado em 2013.




30 comentários:

  1. Oi, Glauber!
    Esse foi um das minhas melhores leituras do ano passado e me rendeu uma ressaca também. Como comentei na resenha que fiz, todos sabemos que esse amor é errado, mas no fim das contas não tem como não torcer por eles.
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Luiza!
      Fui no seu blog dá uma lida na sua resenha sobre o livro e deixei meu comentário lá, pois precisava conhecer mais pessoas que leram o livro. Gostei muito da sua resenha e tentei deixar um comentário, porém, não sei se consegui enviar (tentei várias vezes).

      De toda forma, obrigado pela sua opinião e continue comentando (enquanto eu estiver aqui, eu respondo rs).

      Abraços!

      Excluir
  2. Olá, Glauber, tudo bom? Desde o lançamento desse livro por aqui tenho lido diversas críticas positivas sobre ele, mas até agora não tinha sentido uma grande empolgação pela leitura, mesmo gostando de obras que abordam temas polêmicos. Sua resenha ficou simplesmente maravilhosa! Você escrever muito bem e conseguiu me deixar mais interessada pelo livro, que pretendo ler quando tiver uma oportunidade.

    Beijos!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Gaby (desculpa se estou sendo muito íntimo rs)!

      Obrigado pelos seus comentários e elogios! :3
      Fico muito feliz que tenha gostado da minha resenha e se puder ler o livro, faça isso o quanto antes e venha me dizer o que achou. Vamos trocar figurinhas, pois tudo que eu queria depois de terminar de ler o livro era conversar com alguém. rs

      Abraços!

      Excluir
  3. Olá!

    Que empolgação! Já tinha lido algumas resenhas sobre ele, mas nem de longe eram tão empolgantes. Quero muito ler, só me falta o tempo, com certeza esse livro me será um baque, porque o incesto é tão pouco falado que, quando falam, é sempre em tom de julgamento.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Kamila! :3

      Obrigado pelo elogio! *-* E leia o mais rápido possível!
      O livro é muito bom e o choque que o livro causou em mim foi mais sobre como o sentimento dos dois é retratado, do que sobre a temática de incesto. É algo tão delicado e puro, ao mesmo tempo tão sincero, que eu me peguei invejando os dois por alguns momentos (não irei negar).
      Quando você ler, Kamila! Vem me dizer se gostou da leitura e o que você achou, pois é bom se consolar com alguém que já leu o livro.

      Abraços!

      Excluir
  4. Olá.
    Esse livro está na minha lista a muuuuuuuuuuuito tempo mesmo, desde a data do seu lançamento. Eu adoro a capa e principalmente a premissa desse livro e como a autora criou um tema polêmico e inquietante que eu preciso conferir de pertinho. Tenho certeza que será um livro bem conflitante de ler.
    Tenho certeza que assim como vc, vou amar o livro. E parabéns pela resenha ficou ótima.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi!

      Obrigado pelo elogio! :3
      Tiro o livro da lista de espera agora e vá lê-lo u.u
      Brincadeira! rs No entanto, ele vale a pena ser adiantado, pois é uma leitura muito intensa e se você for esperar está em um momento bom... vai ser complicado se reerguer depois de fim (principalmente, se você for tão empática com livros quanto eu rs).

      Obrigado pelo comentário!

      Abraços!

      Excluir
  5. Oi, Tudo bem? Confesso que esse é um livro bem complicado para mim pois apesar de eu morrer de curiosidade pelo enredo e pelo final que já sei que é bem doloroso....eu não sei se conseguiria compreender o incesto....eu não sou religiosa...mas acho que algumas regras morais da sociedade que colocam na nossa cabeça é difícil de ser quebrada. Eu pretendo ler mesmo sabendo que vai causar um certo desconforto em mim.
    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Camila!
      Eu entendo bem o que é isso que você diz.
      Eu sou capricorniano e pensar fora das normas da sociedade é muito complicado para mim (se eu estivesse no lugar do Lochan, minha ação diante de tudo aquilo seria completamente diferente da dele). Entretanto, chego a pensar que isso foi uma das coisas que o livro me ensinou com louvor, que é o fato de nem todo mundo que você ama irá receber as coisas da melhor forma possível (O Kit no livro é o maior exemplo disso).
      Tentar entendê-las é o mínimo que podemos fazer!

      Tente lê-lo. Depois, comente por aqui mesmo como foi, que eu quero saber o que achou!

      Obrigado pelo comentário e abraços!

      Excluir
  6. Oiii Glauber, como vai?
    Rapaz eu tenho tanta vontade de ler esse livro, diante do abordado, creio que em alguns momentos possa ser meio forte e até então seria doloroso. Eu quero ler por mera curiosidade e ver tantos comentários positivos, a pesar das cenas que acontecem e o que causa ao leitor.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Morgana! :3
      (Eu acho que já vi comentários seus em resenhas minhas rs)

      Eu tive a vontade de ler o livro, pois ele foi indicado por uma pessoa (na época) muito especial para mim, então, decidi dá a chance a leitura. Entretanto, sobre a leitura, nas primeiras páginas do livro tem todos os prêmios de literatura os quais ele foi indicado, então, posso dizer que do ponto de vista literário o livro é maravilhoso.

      Leia! Mate a sua curiosidade! Depois você mate a minha e me diga o que achou do livro! :3

      Abraços e obrigado pelo comentário! :3

      Excluir
  7. Oi, Glauber
    Com certeza é um livro delicado e se trata de uma questão de opinião também. Acho que a intenção da autora foi mesmo trabalhar a obra de uma maneira em que faz o leitor temer julgar os personagens. Parece que é por isso que o pessoal gosta tanto.
    Gostei de ver seu ponto de vista. Eu ainda não li, mas tenho vontade de ler.

    Blog Livros, vamos devorá-los

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Letícia!

      A autora é muito precisa! Eu me senti na obrigação de pesquisar sobre a vida dela para saber quem é essa mulher. Porque ela escreveu algo tão belo dentro de uma temática tão complexa, que eu precisava saber quem era ela na literatura para ser tão ousada. Nunca li outras obras dela, porém, estou super suscetível a elas, pois Proibido é lindo!

      Obrigado pelo seu comentário! :3

      Excluir
  8. Olá, esse livro já está na minha lista de leituras e posso falar? sua resenha está maravilhosa e me deu muito mais vontade de ler a obra.
    Eu realmente não sei como irei reagir a esse romance,pois incesto realmente é algo que choca não só a mim mas toda a sociedade mas ao mesmo tempo ao considerar as circunstâncias em que os personagens estão somos levador a repensar tudo o que sentimentos sobre isso.
    bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gabriela, sua linda!
      Obrigado pelo elogio! :3

      E eu posso falar? Eu temi ler ele, porém, teve pressão do chefe e eu precisava adiantar a leitura (rs). No entanto, eu não me arrependo, pois foi algo tão mais do que eu esperava, sabe? Eu achei a autora louca de escrever sobre isso na sociedade atual, porém, quando passei da página 200, repensei muita coisa.
      Quando você ler, comente comigo!
      Eu gosto de dialogar sobre livros com as pessoas!

      Abraços e muito obrigado pelo seu comentário!

      Excluir
  9. Oi, realmente por se tratar de um tema tão complexo como esse pode ser realmente difícil para que as pessoas enxerguem a mensagem como devem. Eu ainda não li essa obra, mas quero ler. Sei que muitas coisas que fogem do "padrão" causam espanto e rejeição, mas acho sempre importante a literatura mostrar algo tão complexo. Parabéns pela sua crítica da obra, ficou incrível e só me fez ter mais vontade de ler!
    Um beijo
    www.brookebells.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ahhhh! Muito obrigado pelo seu comentário! *-*
      Eu realmente amei o seu posicionamento e concordo plenamente quando diz que esse é o papel da literatura (mostras fatos complexos para a sociedade). Como professor, acredito que se o mundo valorizasse mais a literatura, talvez pudéssemos ter pessoas melhores na sociedade, porém, isso não entra na questão do livro.

      Obrigado pelos seus elogios! Obrigado pelo seu comentário! Obrigado pela sua participação!

      Apareça mais vezes! <3

      Excluir
  10. Olá,

    Esse é um livro que todas as pessoas deviam ler, assim como Extraordinário, porque traz um enredo visceral e chocante para quase todas as pessoas.
    Um enredo construído para despertar um momento reflexivo sobre nossos julgamentos morais e valores familiares.

    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Joanice!

      Eu super assino embaixo nas coisas que escreveu sobre a necessidade de livros como esses, pois é necessário para as pessoas saírem de seu mundo e lidarem com outras "verdades" sociais. Nem tudo está dentro do padrão, ou da regra... Existem mais exceções do que pensamos, né?

      Muito obrigado pelo seu comentário!
      Continue participando do blog!

      Excluir
  11. Oi,
    Não tenho coragem de ler esse livro, uma amiga leu e me contou a história toda, até o final.
    Acho muito forte e não sei como eu reagiria lendo.
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Daya!

      É complicado mesmo! Eu mesmo temi muito ler o livro, porém, ele me surpreendeu em vários aspectos, entretanto, foi como uma amiga minha comentou: "Ele está entre os meus favoritos, porém, não sei se quero relê-lo em algum momento da minha vida...".
      Sim! Ele é muito marcante de diversos pontos de vista! Então, reflita um pouco e veja se cabe a sua realidade, pois posso dizer que ele é muito bom.

      Abraços!

      Obrigado pelo comentário!

      Excluir
  12. Olá David,
    faz alguns meses que li uma resenha desse livro e achei a temática bem interessante, é um tema complicado é muito difícil, como passar daquele amor fraternal para um "sexual" não consigo imaginar algo assim, no entanto me parece que a autora o escreveu com maestria, e sua resenha me deixou com uma vontade imensa de pular os livros que estão na frente ;)
    A editora Valentina fez realmente um excelente trabalho, adorei os detalhes das páginas, mas foi a capa que amei de verdade.

    Bjs!
    Fadas Literárias

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Anne!
      Aqui é o Glauber rs Então... Esse foi um dos motivos que me fez querer ler o livro, pois é algo tão delicado, simbolizar um relacionamento incestuoso, sem ser de uma forma estereotipada. Eu temi muito que Tabitha fizesse desse jeito. Entretanto, ela correspondeu minhas expectativas de forma positiva, pois ela trabalha todo o medo e receio dos irmãos de viver esse amor.
      Super aconselho para você ler, pois é um livro devastador, porém, muito construtivo.

      Obrigado pelo elogio, obrigado pelo comentário e abraços!

      Excluir
  13. Oiii!!!

    Primeiramente, parabéns por ter ser formado, desejo sucesso na carreira!
    Eu não tenho muita curiosidade de conhecer essa escrita, mas fiquei feliz com sua resenha e como você se interessou pela obra.
    Fiquei feliz que tenha sido uma leitura positiva!

    Beijinhos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ana! *-*
      Obrigado pelos parabéns *---* (Eu espero ter sucesso, também rs).
      Ahhhhh! Que pena que não faz o seu tipo de leitura! É um livro muito bom, porém, eu super entendo esse tipo de coisa, pois tem vários livros que tenho e não tive vontade de ler nenhum (fazer o quê, né? rs).

      Obrigado pela sua opinião e o seu comentário!
      PS: Gostei de você! rs

      Excluir
  14. Oi, tudo bem?

    Tenho esse livro desde o lançamento, mas não tive coragem de ler, sei toda a história. Já peguei todos os spoilers, mas mesmo sabendo que não tem como não amar essa leitura ainda não tive coragem de abrir o livro. Gostei muito da sua resenha e parabéns por ter se formado, esse é o meu último semestre e mesmo sabendo que vou sentir saudade estou muito animada.
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Elen! :3
      Estou bem, sim! E você?

      Eu tive esse receio, também, sabe? Pela temática, pelo universo abordado pelo livro, eu fiquei muito medroso em relação a ele. Não era porque pensei que seria ruim, mas sim, porque eu sou muito empático com livros e eu imaginava que a ressaca literária dele iria ser duradoura. E quer um conselho? Leia quando se sentir preparada! É um livro muito denso... Ele toca com uma brutalidade o leitor, que eu ainda sinto-me sensibilizado quando penso em tudo.

      Ahhh! Obrigado pelas felicitações e elogios e arrase no último semestre, faça tudo que puder fazer, pois faz muita falta, porém, é muito boa a sensação de dever cumprido (depois de quatro ou cinco anos de estudo intenso).

      Obrigado pelo comentário!

      Excluir
  15. Nunca senti vontade alguma de ler esse livro. Nunca me interessou. Mas depois de sua resenha senti uma grande vontade de pegar ele aqui na estante e começar agora mesmo a leitura. Amo livros assim com temas polemicos.

    www.literaturanews.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Emerson! :3

      Amigo! Vai lá... Pega o livro na estante e começa a ler, logo! Vai! Por que quanto mais cedo começar a leitura, mais cedo vem a ressaca literária e mais cedo ela acaba.
      Pensa desse jeito! u.u

      Obrigado pelos elogios e pelo comentário!

      Abraços!

      Excluir

Expresse-se