09 outubro 2017

Resenha #163 - O Ceifador (Scythe Vol 1)!




Título: O Ceifador
Coleção: Scythe Vol 1
Autora: Neal Shusterman
Editora: Seguinte
Ano: 2017
Especificações: Brochura |448 páginas
ISBN: 13: 9788555340352
 Sinopse

Primeiro mandamento: matarás.

A humanidade venceu todas as barreiras: fome, doenças, guerras, miséria... Até mesmo a morte. Agora os ceifadores são os únicos que podem pôr fim a uma vida, impedindo que o crescimento populacional vá além do limite e a Terra deixe de comportar a população por toda a eternidade. Citra e Rowan são adolescentes escolhidos como aprendizes de ceifador - papel que nenhum dos dois quer desempenhar. Para receberem o anel e o manto da Ceifa, os adolescentes precisam dominar a arte da coleta, ou seja, precisam aprender a matar. Porém, se falharem em sua missão ou se a cumplicidade no treinamento se tornar algo mais, podem colocar a própria vida em risco.
Cortesia Grupo Editorial Companhia das Letras (Editora Seguinte)

**********************************************************************
AVALIAÇÃO PESSOAL
**********************************************************************


Neal Shutersman apresenta ao leitor um enredo cheio de contradições e metáforas bem elaboradas sobre vida e morte em um jogo perigoso que inclui personagens inteligentes e uma trama asfixiante que mantém seu coração palpitando mais a cada página.

O ano é 2040. O mundo mudou de uma maneira que os seres humanos jamais poderiam imaginar. Todos os males que afetavam a sociedade foram erradicados e agora as doenças e acidentes já não existem mais. E quase como se a imortalidade fosse alcançada. Mas com um crescimento que parece nunca ter fim, como controlar o espaço que se torna cada vez menor para o número de seres humanos vivos? No mundo de Citra e Rowan, os Ceifadores fazem exatamente isso: tirar vidas. Eles existem com o mero propósito de manter uma balança equilibrada entre quem vive e quem morre. Ambos os adolescentes foram escolhidos para participar da Ceifa e treinarem até conseguirem se graduar, conseguindo a imortalidade, mas ganhando a perigosa missão de matar pessoas. Agora, tanto Citra quanto Rowan precisaram se provar para descobrir quem é o melhor e o mais adequado para receber o anel de Ceifador ao fim do treinamento. Quem será aquele a salvar sua família e manter o cargo?

Esse livro é pesado de uma maneira diferente. Depois de lê-lo, a mente do leitor é totalmente desconstruída pela ideia que o autor pareceu querer mostrar, porque a todo instante, Shusterman está brincando com as metáforas de vida ou morte. E isso é o melhor. Porque a leitura não se torna repetitiva, o tema se sobressai a outros livros da categoria e a escrita contagia.

Narrado em terceira pessoa, a obra mostra toda uma amplitude de todo o cenário criado pelo autor em um  topia magnifica que prova que nem se todos os problemas da humanidade fossem resolvidos, a felicidade seria garantida. Sua ideia genial de brincar com a frágil existência humana é sem dúvidas o ápice e a característica que mais me agradou. Sua distopia foi diferente, enganosa, com personagens beirando entre a ficção e a realidade. Tanto o desenvolvimento pessoal de Citra quanto de Rowan foram dignos para mim, e não só na  interação entre os dois e na relação estabelecida, mas neles como personagens individuais. Seus dramas são plausíveis, suas atitudes aceitáveis e o leitor se pega em um misto de agonia e amor enquanto vai descobrindo as provações que os protagonistas precisam enfrentar.

'O Ceifador' foi sem dúvidas uma das melhores leituras inesperadas para 2017. Comecei a obra sem qualquer expectativa e me vi embriagada por uma leitura viciante com acontecimentos surpreendentes. Ansiedade é como eu definiria minha situação para a chegada das próximas continuações e o desenvolver do restante dessa trama, embora o livro, para mim, funcionasse excelentemente se fosse solo e tivesse tido um  desfecho mais amarrado.




Já escreveu mais de 30 livros premiados para jovens e adultos, incluindo Full Tilt, a Trilogia Skinkacker, Unwholly, Bruiser e The Schwa Was Here, que recebeu o Boston Globe-Horn Award como melhor livro de ficção. Ele também escreve roteiros para o cinema e a televisão, como Animorphs e Goosebumps. Pai de quatro filhos, Neal vive no sul da Califórnia.



2 comentários:

  1. Oi Lena! Tudo bem?
    Pense numa pessoa que está loooouca para ler este livro? Eu meeeeixma!
    Sua resenha super bem escrita me deixou com ainda mais vontade e, de quebra, saber que os personagens são cativantes e a trama, envolvente, me deixaram ainda mais animada!

    Beijocas,
    Fabi
    pausaparapitacos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Oi Lena, tudo bem? Eu confesso que a princípio não curti a premissa, mas depois de ler tanta resenha positiva e de ter lido outro livro do autor, acabei me interessando. Que bom que foi uma boa leitura para vc!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir

Expresse-se